Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Vitor Sommavilla de Souza Barros

Ciências Humanas

Filosofia
  • realismo e antirrealismo: integrando as evidências mais recentes ao debate acerca da normatividade moral
  • Neste projeto, avaliamos de que modo as novas evidências da filosofia experimental e das ciências das emoções impactam o debate entre realismo e antirrealismo morais e buscamos apresentar alternativas filosóficas para o entendimento da normatividade moral que sejam cientificamente adequadas. Na literatura em metaética, regularmente pressupõe-se: 1) que as pessoas usam a linguagem moral cotidianamente de forma realista; 2) que o antirrealista tem dificuldade para explicar o caráter normativo (i.e. vinculante) da moralidade; 3) e que existe uma conexão intrínseca entre julgar que algo deve ser feito (juízo moral) e estar ao menos em parte motivado a agir conforme. Juntos, estes pressupostos produzem um apelo inicial favorável ao realismo. Contudo, estudos recentes de filosofia experimental têm posto em dúvida o suposto realismo da linguagem moral cotidiana (item 1). Igualmente, estudos em ciências das emoções têm questionado a ideia de que há emoções morais universais apropriadas para cada situação de ação e (no caso de estudos sobre psicopatia) que há uma relação intrínseca entre juízo moral e motivação (item 3). De que modo o debate entre realismo e antirrealismo é afetado por esses achados? Quais alternativas cientificamente adequadas permanecem aos dois lados? Nossa hipótese inicial é que as evidências recentes aumentam a plausibilidade comparativa do antirrealismo. Se as evidências parecem atenuar os desafios 1 e 3 ao antirrealista, ele ainda precisa oferecer uma reposta a 2. Pretendemos explorar alternativas antirrealistas para a explicação da normatividade moral, com a hipótese inicial de que o construtivismo metaético oferece uma alternativa viável. Adicionalmente, hipotetizamos que, em vista dos achados, a alternativa mais plausível para o realista moral é rejeitar a conexão intrínseca entre juízo moral e motivação. Procedemos através da análise argumentativa e do confronto das teses filosóficas com os achados experimentais ou científicos.
  • Universidade Federal da Paraíba - PB - Brasil
  • 05/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Vivaldo Moura Neto

Ciências Biológicas

Morfologia
  • controle da proliferação tumoral: edição genômica por crispr das proteínas mdr frente à temozolomida, busca de biomarcadores tumorais por biópsia líquida e controle imunoterapêutico de tumores na presença de agonistas d tlr
  • O sistema CRISPR sabidamente possibilita a edição do genoma e o estudo da função de variados genes em diferentes doenças. Além disso, fármacos podem ser avaliados em linhagens celulares modificadas por CRISPR, permitindo determinar a contribuição de genes nos processos de resistência à tratamentos antitumorais. Neste estudo, a testagem de fármacos capazes de diminuir o “fitness” ou a viabilidade cellular in vitro será realizada conjuntamente à modificação do gene de proteínas MDRs usando o sistema CRISPR. Além disso, avaliaremos por biópsia líquida, possíveis alterações de DNA tumorais no sangue de pacientes acometidos por distintos tumores tais como pâncreas, intestino, fígado, próstata e gliomas, previamente diagnosticados por biópsia de tecido e imagem. Embora as biópsias sólidas sejam o padrão ouro no diagnóstico de neoplasias constituem um procedimento invasivo passive de eventuais equívocos. Em contrapartida, a biópsia líquida veio para superar tais limitações. Efetivamente surgida nos últimos anos, é baseada na análise de DNA circulante proveniente de tumores (ctDNA) que é liberado no sangue podendo fornecer as mesmas informações genéticas que a biópsia de tecido ou até informações extras no caso de tumores metastáticos e heterogêneos. Mais ainda, o sangue permitirá a busca de biomarcadores tais como miRNA e citocinas, expressando a tumorigênese nos pacientes e seu índice de malignidade. Vamos analisar mutações em genes já descritos, através da metodologia de PCR digital seguida, eventualmente, de sequenciamento como contraprova. Como terceira etapa vamos ensaiar o controle imunoterapêutico de tumores na presença de agonistas do receptor TLR. A instituição proponente, e sede executora, será o Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer (IECPN), com seus neurocirurgiões e pesquisadores, assim como colegas da UFRJ.
  • Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 29/03/2022-31/03/2025