Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Vitor Matheus Bacani

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • modelagem dinâmica de serviços ecossistêmicos gerados pelo estoque e sequestro de carbono no cerrado brasileiro
  • Mudanças no uso e cobertura da terra causadas por atividades humanas promovem emissões de carbono que contribuem com as mudanças climáticas globais e regionais. Por outro lado, o sequestro de carbono pode repor e contribuir para a redução das emissões de CO2. Enquanto o avanço da agropecuária sobre o Cerrado tem sido alvo de preocupação em relação as metas de redução de gases de efeito estufa, a expansão da silvicultura pode representar um aumento no sequestro de carbono. A bacia hidrográfica do rio Pântano (BHRP) se destaca no leste de Mato Grosso do Sul por apresentar profundas transformações paisagísticas nas últimas décadas. O primeiro impacto importante foi o alargamento do canal fluvial em razão da instalação próxima da usina hidrelétrica de Ilha Solteira-SP, seguido pelo avanço da agropecuária sobre áreas naturais, e atualmente a silvicultura para atender um dos maiores complexos de papel e celulose do mundo. A modelagem preditiva do armazenamento e sequestro de carbono por classes de uso e cobertura da terra pode contribuir para uma avaliação efetiva dos Serviços Ecossistêmicos (SE) na definição de Áreas Prioritárias para Conservação. Este projeto tem como objetivo avaliar o estoque de carbono na BHRP para os anos de 1984, 2007, 2021 e simular o sequestro de carbono de diferentes cenários para 2050 utilizando o modelo CA-Markov (Cadeias de Markov-Autômato Celulares) e o modelo InVEST (Integrated Valuation of Ecosystem Services and Tradeoffs). O mapeamento das mudanças e simulação do uso e cobertura da terra será desenvolvido com base no modelo CA-Markov e a modelagem do sequestro de carbono utilizando o modelo InVEST para três cenários futuros diferentes: 1- manutenção de tendência atual (avanço da silvicultura); 2- retração da silvicultura e avanço da agropecuária; 3- conservacionista, conforme previsto na legislação ambiental.
  • Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - MS - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Vitor Santaella Zanuto

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • desenvolvimento e avaliação de protótipos de painéis fotovoltaicos cobertos por vidros especiais
  • Há décadas a comunidade científica aponta a necessidade de reduzir nossas emissões de carbono, e o acordo de Paris estabeleceu algumas metas claras. Neste contexto a energia solar é a grande candidata para substituir os combustíveis fósseis, porém, ainda precisamos desenvolver muitas tecnologias, como por exemplo materiais que tornem os painéis fotovoltaicos mais eficientes e sustentáveis. Num painel comercial o vidro de cobertura corresponde a cerca de 2/3 do peso do dispositivo, e devido a sua temperatura de fusão elevada, na sua produção são emitidas grandes quantidades de Carbono. Neste projeto exploramos a possibilidade de utilizar vidros com temperatura de fusão mais baixa, e outras propriedades especiais, na cobertura dos painéis. Potencialmente, estes materiais podem reduzir a intensidade de energia consumida para se construir um painel, e, por meio da incorporação de metais terras-raras, podem ainda atuar como conversores espectrais. Resultados preliminares que já realizamos apontam que um de nossos vidros podem absorver luz ultravioleta, protegendo o dispositivo dos efeitos nocivos dessa radiação ao mesmo tempo que essa energia é convertida em emissão no infravermelho, que possuí maior probabilidade de conversão em eletricidade pelo silício. Esta característica pode ser um caminho para se superar os limites de eficiência impostos pela teoria de Shockley-Queisser, como tem sido amplamente discutido na literatura. Deste modo, nossa estratégia consiste em sintetizar os vidros especiais já comentados, e utiliza-los na construção de protótipos de painéis fotovoltaicos, que vamos avaliar a eficiência utilizando um simulador solar de padrão internacional e também com medidas em iluminação natural. Iniciaremos com amostras codopadas com Európio e Neodímio, que já tiveram as concentrações destes íons otimizadas, e avaliaremos continuamente a viabilidade de testar outras matrizes vítreas e/ou combinações de dopantes.
  • Universidade Estadual de Maringá - PR - Brasil
  • 06/06/2022-30/06/2025