Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Ursula da Silveira Matte

Ciências Biológicas

Genética
  • edição gênica não-viral com o sistema crispr/cas9 por via intra-articular para tratamento da mucopolissacaridose tipo i
  • A Mucopolissacaridose tipo I (MPS I) é causada pelo acúmulo lisossomal de glicosaminoglicanos (GAGs) devido à deficiência da enzima alfa-L-iduronidase (IDUA). Os tratamentos disponíveis podem melhorar várias manifestações clínicas, mas têm efeitos limitados nos sintomas articulares, resultando em complicações ortopédicas persistentes e mobilidade prejudicada. Assim, o objetivo desse projeto é desenvolver formulações lipídicas nanotecnológicas carreadoras do sistema de edição gênica CRISPR/Cas9 e de um antiinflamatório esteroidal para tratamento de células sinoviais e de um modelo murino de MPS I através de injeção intra-articular. As formulações serão produzidas, otimizadas, caracterizadas físico-quimicamente e após serão testadas em sinoviócitos quanto à viabilidade celular e à efetividade na produção de IDUA. Os complexos serão injetados por via intra-articular em camundongos MPS I e serão realizadas dosagem da atividade e expressão de IDUA no líquido sinovial e articulações, bem como análises imunohistoquímicas e histológicas. Um piloto in vivo foi realizado e demonstrou aumento significativo da atividade de IDUA na articulação do grupo tratado. Corroborando o ensaio piloto, espera-se que os resultados finais demonstrem uma abordagem in situ segura, tolerável e eficaz de edição gênica intra-articular não-viral visando à redução ou prevenção das complicações ortopédicas debilitantes da MPS I, vislumbrando um ensaio clínico futuro. O alinhamento à Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras permite a conexão direta e a divulgação sobre doenças, pesquisa e resultados envolvidos na proposta. Além disso, o impacto nos gastos públicos seria significativo, considerando que hoje os pacientes são tratados com reposição enzimática que custa cerca de R$1 milhão anuais por paciente e não se mostra efetiva no acometimento articular. Por fim, o projeto envolve estudos em fronteira de conhecimento, numa técnica nova com potenciais imensos.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 08/12/2020-31/12/2023
Foto de perfil

Vadim Viviani

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • desenvolvimento de insumos bioluminescentes para análises ambientais, imunoensaios e bioimagem
  • A bioluminescência, a emissão de luz visível por reações luciferina-luciferase por organismos, tem sido utilizada a várias décadas para finalidades bioanalíticas. Enzimas luciferases de vagalumes e seus genes são empregadas como reagentes luminescentes em kits para avaliar a qualidade de águas, contaminação microbiológica de alimentos e bebidas, e seus genes como sondas bioluminescentes para marcação celular, biossensores, testes de citotoxicidade, e prospecção de drogas antivirais, antibacterianas e anticancerígenas pela indústria farmacêutica. Estas aplicações utilizam produtos e tecnologias importados. O nosso grupo de pesquisa tem se destacado mundialmente no estudo da bioluminescência e estrutura e função de luciferases clonadas a partir de besouros de biomas brasileiros, tendo identificado os determinantes estruturais da atividade luminescente, dos espectros de bioluminescência, sensibilidade ao pH e metais. A partir destes conhecimentos, estamos agora desenvolvendo luciferases com propriedades de luminescência otimizadas (brilho, cinética e espectros, e sensibilidade a pH) para emprego como reagentes, biossensores de pH e de metais, genes repórter para bioimagem, e imunoensaios bioluminescentes. Considerando a demanda por reagentes e tecnologias bioanalíticas sensíveis nacionais para monitorar os problemas emergentes como a pandemia, crise ambiental e problemas de qualidade que afetam a indústria, planejamos usar estas luciferases para desenvolver insumos bioluminescentes que possam atender estes setores, a saber: biossensores de cádmio e mercúrio; reagentes bioluminescentes para imunoensaios (SARS-CoV-2); genes repórter bioluminescentes mais eficientes para marcação e bioimagem de vírus, células e acompanhamento de crescimento de tecidos em biomateriais. A associação da bioluminescência com nanopartículas, e com tecnologia de smartphones, poderá trazer soluções inovadoras como imunoensaios e biossensores luminescentes miniaturizados e portáteis.
  • Universidade Federal de São Carlos - SP - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Valdemar Rodrigues de Pinho Neto

Ciências Sociais Aplicadas

Economia
  • acessibilidade aos serviços: proximidade às unidades de saúde e a importância do atendimento adequado na redução da mortalidade materna e infantil por causas evitáveis
  • Nas últimas décadas, o Brasil passou por grandes mudanças sociais e econômicas que se refletiram na melhoria de vários os indicadores de saúde da população, incluindo reduções nos índices de mortalidade materna e infantil (Leal et. al. 2018). Apesar dos avanços, ainda ocorrem cerca de 59,1 óbitos maternos para cada 100 mil nascidos vivos e 12,4 mortes de crianças até 1 ano de idade a cada mil nascidos vivos. Entre os óbitos maternos, 67% decorre de causas obstétricas diretas: complicações na gravidez, parto ou puerpério. No caso dos óbitos infantis, cerca de metade deles ocorrem até o sexto dia após o parto. Ambas as observações sugerem que grande parte das mortes maternas e infantis poderiam ser evitadas, sendo decorrentes de intervenções desnecessárias, omissões ou tratamentos incorretos. Nessa pesquisa, iremos explorar variações no acesso, decorrentes das distâncias da residência para os hospitais próximos, e variações nos serviços oferecidos às gestantes em cada unidade de saúde. A assistência que as gestantes recebem durante o pré-natal ou no parto exibe bastante variabilidade, tanto na composição e características da equipe atendente (e suas práticas) quanto na estrutura disponível em cada hospital. De forma mais importante, o tipo de atendimento recebido depende mais da proximidade da residência da gestante às unidades de saúde, e menos das preferências da paciente ou mesmo seus fatores de risco. As distâncias são particularmente importantes no contexto do Brasil, onde as mortes maternas estão principalmente ligadas à demora no transporte para hospitais com instalações adequadas e atendimentos de maior complexidade, ou à demora na provisão do tratamento mesmo dentro do hospital apropriado. Inicialmente, exploraremos variações no atendimento das gestantes induzidas principalmente pela incidência diferenciada do parto cirúrgico entre as diferentes unidades de saúde. Como as gestantes geralmente optam pelo atendimento em hospitais mais próximos, a distância relativa da residência às unidades de saúde com diferentes práticas de parto cirúrgico gera variação exógena (tão boa quanto aleatória) no atendimento recebido por elas. Como medidas de desfecho, consideraremos: mortalidade materna e suas causas obstétricas, mortalidade infantil e seu componente neonatal precoce (0-6 dias) e tardio (7 a 27 dias), semanas gestacionais, prematuridade, peso ao nascer, Apgar e anomalias congênitas. Outros mediadores considerados na análise causal das distâncias serão os demais recursos existentes nas unidades de atendimento, como: leitos de UTI, experiência e características da equipe, disponibilidade de equipamentos, exames e infraestrutura. Ainda, este projeto contribui na primeira tentativa de georreferenciamento dos endereços do Cadastro Único e verificação da qualidade destes dados para uso em pesquisa e monitoramento de acesso aos serviços de saúde, com foco na população em situação de vulnerabilidade socioeconômica. O resultado do georreferenciamento poderá ser visualizado na forma de mapas, gráficos, dashboards, entre outros. As informações geradas irão compor nova base de dados contendo, além das distâncias, várias medidas de desfecho de saúde materna/infantil no nível de estabelecimentos de saúde, enriquecida com informações socioeconômicas das famílias e características dos domicílios que cada estabelecimento de saúde atende. Construiremos um banco de dados contendo coordenadas geográficas das residências das mulheres e dos estabelecimentos de saúde (com atendimento à maternidade e primeira infância), e calcularemos as distâncias da residência das gestantes para os hospitais mais próximos. A metodologia empregada nessa pesquisa recupera relação de causa e efeito por meio de um modelo de regressão linear com variáveis instrumentais. No caso em questão, a variável instrumental é a distância relativa da gestante às unidades de saúde com diferentes práticas e/ou características, com base na qual mediremos a associação causal de tais práticas/características sobre os desfechos de saúde da gestante e do recém-nascido. Em suma, o projeto contribui para melhorar o entendimento sobre saúde materno-infantil no Brasil, com resultados que podem ser utilizados por gestores para aperfeiçoar o acesso aos serviços de saúde.
  • Fundação Getúlio Vargas - RJ - Brasil
  • 05/01/2021-31/01/2023
Foto de perfil

Valdemiro Pereira de Carvalho Júnior

Outra

Divulgação Científica
  • feira de ciência e tecnologia do oeste paulista
  • O projeto propõe a realização de uma Feira de Ciência e Tecnologia com a participação de oito instituições de ensino da região do Oeste Paulista. A proposta almeja estreitar as relações técnico-científicas entre as instituições de ensino básico e superior por meio de ações integradas para a divulgação da Ciência e o enriquecimento das atividades de pesquisa, ensino e extensão. A Feira envolverá professores e alunos da educação básica e do ensino técnico das escolas públicas e privadas da região do Oeste Paulista. Com o evento se propõe aumentar a divulgação de cursos disponíveis nas instituições com a visitação dos laboratórios de pesquisa para os estudantes, cuja intenção é disseminar as carreiras científicas, juntamente com uma visão ampla sobre as possibilidades de atuação no mercado de trabalho. O evento, que integrará a 19ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, contará com palestras, minicursos, oficinas, pod-cast, visitas aos laboratórios, shows e mostra científica das escolas.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 12/09/2022-31/03/2023
Foto de perfil

Valdenia Maria Oliveira de Souza

Ciências Biológicas

Imunologia
  • efeitos da infecção por schistosoma mansoni e dos antígenos parasitários (sea/swap) na memória imunológica inata (treinada) e adaptativa ao sars-cov-2
  • Na COVID-19 há prejuízo na regulação e na memória do sistema imune, porém não se sabe em resposta as vacinas, bem como se o Schistosoma mansoni pode alterar a resposta vacinal. Houve diminuição no número de linfócitos T CD4+, TCD8+, células B e NK e nos casos graves de COVID-19 a diminuição foi maior. Células T específicas na maioria dos indivíduos, um ano após COVID-19 leve; em casos graves, as células T CD4+ ou CD8+ e CD45RO + diminuíram, bem como as T reguladoras (Treg) que pode influenciar a imunidade de memória ativa (pós-infecção) ou passiva (pós-vacina). Células B de memória anti-spike ou RBD foram detectadas em casos de COVID-19 e com expressão de anticorpos com hipermutação somática (maior potência e resistência), mas avaliados em até 6 meses. IgM e IgG anti-RBD diminuíram em 6 meses, com IgA inalterada. Então, não é sabido o curso dos linfócitos T e B de memória, 1 e 2 anos da vacina e em áreas endêmicas para esquistossomose. S. mansoni levou aumento de Treg para antígenos heterólogos, em humanos, e melhora de memória CD8+ anti-viral, com participação de IL-4, em camundongos. Além disso, não se sabe se antígenos do parasita induzem memória inata, monócitos dependente (treinada), ao SARC-Cov-2. A hipótese que antígenos do S. mansoni in vivo (infecção) ou in vitro (SEA/SWAP) induzem Th2/Treg, altere a memória adaptativa e inata anti-SARS-CoV-2 torna-se importante para esclarecer imunidade de memória e potencial de moléculas imunododuladoras (antígenos parasitários) ao SARS-Cov-2. Assim, num ensaio de caráter exploratório in vitro, pacientes adultos de Escada-PE (demanda espontânea) terão, 1 e 2 dois anos de vacina anti-COVID, amostras de fezes colhidas (Nested-PCR), separados em infectados e não-infectados, verificada marca de BCG, com ou sem, (variável confundimento) e obter 4 grupos com sangue coletado para cultura de linfócitos e monócitos com SEA/SWAP/SARS-Cov-2, imunofenotipagem, dosagem de citocinas/quimiocinas (FACS) e IgG/IgA anti-SARS-CoV-2 (ELISA)
  • Universidade Federal de Pernambuco - PE - Brasil
  • 18/03/2022-31/03/2025