Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Alessandra Lamas Granero Lucchetti

Ciências da Saúde

Medicina
  • associação do uso da internet e smartphones com a saúde física e mental de idosos de comunidade: estudo longitudinal populacional
  • Estudos têm demonstrado a influência do uso da tecnologia móvel e da internet na saúde de diversos grupos etários. Entretanto, ainda são escassos estudos envolvendo idosos e que tenham avaliado dependência digital. Objetiva-se com este estudo avaliar a utilização de smartphones e o grau de dependência digital e de que forma esses fatores estão associados à saúde física, mental, social e qualidade de vida de idosos da comunidade. Este é um estudo de coorte, populacional e observacional incluindo a população idosa de 60 anos ou mais, residente no município de Santana do Deserto – MG. O seguimento será de três anos e aferido em dois momentos: baseline (já realizado em 2019) e seguimento (para ser realizado em 2022). Na coleta do baseline, foram incluídos 668 idosos (93.6% da população total do município) e espera-se manter uma alta taxa de respostas em 2022, uma vez que a aplicação é feita por agentes comunitários de saúde que tem contato próximo aos participantes. Estão sendo utilizados questionários sociodemográficos, avaliação cognitiva (Mini-mental, relógio e fluência verbal), saúde mental (DASS-21), qualidade de vida (WHOQOL-bref), sono (Pittsburgh), atividades de vida diária (Lawton), solidão (UCLA), dependência digital (Internet Addiction Test) e uso de tecnologia digital (uso da internet e smartphones), entre outros. Ainda que a temática tenha sido pouco investigada, com limitações no que concerne a associação entre tecnologia/internet e implicações na saúde integral do idoso, os poucos estudos existentes evidenciaram efeitos positivos desta, sobretudo na saúde mental dos idosos, resultados estes diferentes dos obtidos nos jovens, em que os desfechos tendem a ser negativos. Esse projeto visa preencher essa lacuna, compreendendo de que forma a tecnologia pode influenciar longitudinalmente na saúde do idoso, gerando resultados que podem servir de subsídios para gestores, profissionais de saúde e para a divulgação na população leiga.
  • Universidade Federal de Juiz de Fora - MG - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Alessandra Lifsitch Vicosa

Ciências da Saúde

Farmácia
  • desenvolvimento de hidrogéis e microagulhas contendo micropartículas de paromomicina por técnica de impressão 3d para o tratamento da leishmaniose cutânea
  • As Leishmanioses são um conjunto de doenças infecciosas parasitárias negligenciadas, transmitidas por um inseto vetor, sendo considerada um problema de saúde pública no mundo inteiro. Uma das formas mais comuns de leishmaniose é a leishmaniose cutânea (LC) que se manifesta como lesões na pele. O tratamento atual da LC apresenta inúmeros problemas, sendo necessária a busca de terapias alternativas ou diferentes formas de administração dos fármacos que já são utilizados na clínica. Em virtude desta problemática, a impressão 3D apresenta uma vertente inovadora e interessante no intuito de poder desenvolver diversas formas farmacêuticas e permitir um tratamento personalizado. Baseado nisso, o objetivo geral deste trabalho é desenvolver hidrogéis tradicionais e hidrogéis obtidos por impressão 3D contendo micropartículas de paromomicina para aplicação tópica, assim como microagulhas obtidas por impressão 3D contendo micropartículas de paromomicina para aplicação transdérmica visando o tratamento da LC. A paromomicina foi escolhida por ser um dos fármacos mais estudados para administração local, mas que apresenta problemas de estabilidade e permeabilidade. Os protótipos de cada formulação serão desenvolvidos e caracterizados físico-quimicamente assim como as micropartículas contendo paromomicina. Os protótipos que apresentarem melhores resultados de caracterização serão submetidos a ensaios de liberação in vitro, estudo de permeação cutânea ex vivo e atividade anti-Leishmania in vitro e in vivo. Com isso, espera-se obter, um ou mais protótipos com características físico-químicas e biológicas adequadas para estudos posteriores visando propor alternativas mais seguras e eficazes para o tratamento da LC.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 23/06/2022-30/06/2024
Foto de perfil

Alessandra Luzia Da Róz

Engenharias

Engenharia Química
  • ii mostra científica e feira de ciências do ifsp itapetininga
  • A II Mostra de Científica e Feira de Ciências do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) Câmpus Itapetininga é um evento idealizado e realizado pelas Coordenadoria de Pesquisa, Inovação e Pós-graduação, Diretoria Adjunta Educacional e Coordenadoria de Extensão do Câmpus Itapetininga do IFSP no âmbito da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Ao promover a II Mostra Científica e Feira de Ciências do IFSP Itapetininga pretende-se possibilitar que estudantes do Ensino Fundamental, Médio e Técnico das redes municipais, estaduais e federal do município de Itapetininga e região possam entrar em contato com um ambiente facilitador e estimulante ligado às ciências, corroborando o trabalho realizado em sala de aula por professores previamente treinados pelo corpo docente do IFSP, via parceria entre Prefeitura Municipal e Diretoria Estadual de Ensino. A II Mostra Científica e Feira de Ciências é um espaço para discussão, apresentação e exposição de trabalhos técnicos e científicos desenvolvidos e os melhores trabalhos serão premiados em diversas categorias, incluindo premiação exclusiva para meninas. No evento, além da apresentação de trabalhos, ocorrerão diversas atividades concomitantes, tais como: mostra de robótica, mostra de protótipos, Congresso Paulista de Ensino de Ciências, experimentos de ciências do projeto Show da Física, também iniciativa do Câmpus Itapetininga, e tour pelo Espaço Giroscópio de Ciências. O Câmpus possui ampla experiência na realização de eventos científicos, técnicos e tecnológicos, pois desde 2010 realiza seu Congresso de Iniciação Científica e o Work Tech Itapê. Em 2019, a I Feira de Ciência teve a participação de cerca de 110 trabalhos de várias cidades da região e ocorreu em outubro na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia com participação de mais de 1000 alunos, incluindo expositores do Ensino Básico e Médio. Devido a pandemia de COBID-19, a Feira não ocorreu no ano de 2020; porém, as atividades base da Feira, como manutenção das parceiras iniciadas, continuaram acontecendo para a implantação adequada da II Mostra Científica e Feira de Ciências do IFSP.
  • Instituto Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 15/04/2021-30/04/2023
Foto de perfil

Alessandra Matte

Ciências Humanas

Sociologia
  • sistemas agroalimentares no brasil: sustentabilidade e práticas culturais em espaços rurais e urbanos
  • A sociedade contemporânea vivencia em todo o mundo o recrudescimento da fome e da pobreza. Por outro lado, há o aumento da produtividade e da produção de alimentos em diferentes contextos globais. Assim, em um contexto de crescentes inequidades, a preocupação não somente com a origem, forma de processamento e qualidade, mas também da acessibilidade dos alimentos fica evidente. Com o intuito de elucidar o decurso desses processos e o seu impacto na segurança alimentar, o objetivo deste projeto consiste em analisar mudanças nos sistemas agroalimentares a fim de compreender aspectos da produção, do processamento, da comercialização e do consumo de alimentos, com ênfase na sustentabilidade e em práticas culturais presentes em espaços rurais e urbanos nas diferentes regiões do Brasil. A análise comparativa entre as diferentes regiões permitirá identificar as singularidades, assim como as semelhanças e diferenças, de maneira a desenhar caminhos para uma transição dos sistemas alimentares mais equitativos e sustentáveis. A equipe interdisciplinar fará uso de método misto, por ser um procedimento de coleta, análise e combinação de técnicas quantitativas e qualitativas em um mesmo desenho de pesquisa. A partir das lições geradas em escala local em cada um dos sítios do estudo, é almejado avançar e consolidar a produção de conhecimentos científicos úteis também para a tomada de decisão em nível regional e global, bem como torná-los acessíveis ao público geral. Participar de uma iniciativa em rede colaborativa, atuando em parceria com diversas instituições, possibilita a identificação de soluções sustentáveis e a capacitação e formação de recursos humanos. A proposta incentiva a produção e o acesso a alimentos de qualidade, a autonomia de famílias de produtores rurais por meio da promoção da comercialização de alimentos e a compreensão de escolhas dos consumidores, promovendo ações direcionadas ao estímulo de sistemas agroalimentares mais equitativos e sustentáveis.
  • Universidade Tecnológica Federal do Paraná - PR - Brasil
  • 19/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Alessandra Mussi Ribeiro

Ciências Biológicas

Farmacologia
  • investigação dos mecanismos relacionados a atividade neuroprotetora dos compostos isolados de plantas 1,8 cineol, limoneno e mirtenol em modelo animal da doença de parkinson
  • A incidência de doenças neurodegenerativas teve um aumento expressivo nas últimas décadas. Dentre essas, a Doença de Parkinson (DP) tem um papel de destaque principalmente pelo seu caráter progressivo e limitante. Dessa forma, torna-se cada vez mais importante o desenvolvimento de intervenções terapêuticas mais inovadoras e eficazes para o tratamento da sintomatologia dessa doença. Dentro deste contexto, o Brasil é responsável pela gestão do maior patrimônio de biodiversidade do mundo, essas ricas fauna e flora podem ser fontes de substâncias biologicamente ativas com potencial terapêutico. Estudos demonstram que substâncias de extratos de plantas são potenciais agentes antioxidantes e anti-inflamatórios. que são verdadeiras “armas químicas” com diversos efeitos farmacológicos. Essas moléculas podem ser instrumentos que auxiliam no tratamento de doenças neurodegenerativas. Apesar do extraordinário potencial ainda há pouca utilização clínica desse tipo de bioativo. Recentemente, nós realizamos a bioprospecção de potenciais extratos de plantas que pudessem apresentar uma ação neuroprotetora quando testados em um modelo progressivo da DP em roedores. Nossos principais resultados mostraram que os extratos da Eplingiella fruticosa e Lippia grata apresentam atividade neuroprotetora, em comum ambos extratos tem terpenos. E mais, a manipulação biotecnológica desses extratos através da complexação com beta-ciclodextrina para melhorar a hidrofobicidade promoveu uma potencialização do efeito neuroprotetor, sugerindo um esboço para o desenvolvimento de um método para obtenção de um novo fármaco antiparkinsoniano. Neste contexto, na presente proposta de pesquisa, nosso objetivo é verificar se os terpenos 1,8 cineol, limoneno e mirtenol complexados com beta-ciclodextrina são os responsáveis pelos efeitos neuroprotetores já observados nos extratos de E. fruticosa e L. grata, além de investigar por qual(is) o(s) mecanismo(s) de ação(es) isso ocorre.
  • Universidade Federal de São Paulo - SP - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025