Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Vanderlan da Silva Bolzani

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • instituto nacional de ciência e tecnologia em biodiversidade e produtos naturais – inctbionat
  • O projeto delineado está centrado nos pilares de sustentação da Ciência, Tecnologia e Inovação, que norteiam as sociedades do conhecimento: (a) Pesquisa básica e aplicada de excelência; (b) Formação de recursos humanos em biodiversidade e produtos naturais; (c) Colaboração com o setor empresarial para desenvolvimento tecnológico a partir das inovações em produtos naturais; (d) Difusão do conhecimento sobre a biodiversidade e produtos naturais bioativos para o ensino médio e outros segmentos da sociedade; (e) Contribuição nas ações de políticas públicas de conservação e uso sustentável da biodiversidade. Dentro destes fundamentos, o Instituto Nacional de Ciência & Tecnologia (INCTBioNat) foi criado para mapear e catalogar de forma organizada todas as informações sobre os metabólitos secundários detectados e/ou isolados de organismos de nossa rica biodiversidade, fundamental para o avanço de pesquisa em química de produtos naturais do Brasil. O conhecimento e uso sustentável da biodiversidade brasileira foi preconizado no documento “Política Nacional da Biodiversidade”, editado pela Secretaria de Biodiversidade e Florestas (SBF), Ministério do Meio Ambiente (MMA), em 2002 e tem prioridade para o desenvolvimento nacional. A criação de uma rede nacional de pesquisa para mapeamento químico e biológico das espécies terrestres, marinhas e de microrganismos da nossa biodiversidade constitui-se numa estratégia racional para a seleção de substâncias ativas mais promissoras para posterior estudos farmacológicos e toxicológicos visando moléculas protótipos. Para atingir tais metas, o ICNTBioNat reúne pesquisadores de excelência e pesquisadores jovens e talentosos que iniciam suas carreiras em universidades federais e estaduais de vários estados da federação, englobando todas as regiões do Brasil. Toda equipe atuará de forma colaborativa e multidisciplinar objetivando o fortalecimento de uma área de pesquisa e inovação estratégica para o Brasil, através de uma rede de laboratórios de excelência em produtos naturais para exploração e uso sustentável da rica biodiversidade brasileira.
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - SP - Brasil
  • 28/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Vanderlei Gageiro Machado

Ciências Exatas e da Terra

Química
  • sensores cromogênicos e fluorescentes e fotocatalisadores suportados em polímeros funcionalizados eletrofiados
  • Corantes orgânicos que mudam de cor ou fluorescência dependendo das propriedades do meio (solvatação, polaridade, viscosidade, pH) ou na interação com outras espécies químicas podem ser usados como sondas, indicadores ou sensores para fins analíticos. Fibras de polímeros preparadas por eletrofiação e contendo esses corantes são suportes particularmente interessantes para a fabricação de sensores. As fibras são tipicamente micrométricas em diâmetro e são preparadas a partir de uma ampla variedade de polímeros e misturas de polímeros, incluindo biopolímeros. As fibras são versáteis e podem ser transformadas em matrizes ou membranas com boas propriedades mecânicas e permeabilidade controlada, contribuindo para a seletividade e resposta analítica. As matrizes poliméricas eletrofiadas também são promissoras como suportes de grande área superficial para nanopartículas semicondutoras fotocatalíticas. A equipe de pesquisa desta proposta reúne experiências complementares em síntese orgânica, espectroscopia, fotoquímica e fotofísica, materiais poliméricos e eletrofiação, catálise e fotocatálise em sistemas organizados e aplicações analíticas de sensores. Os dois principais objetivos da proposta são: (1) o desenvolvimento e validação de sensores analíticos seletivos baseados em corantes orgânicos incorporados em montagens de polímeros eletrofiados; e (2) o desenvolvimento de novos suportes de polímeros por eletrofiação otimizados para reações fotocatalíticas heterogêneas. Os grupos da UFSC, FURB e IFSC têm experiência comprovada no planejamento de sensores baseados em uma variedade de corantes push-pull, em técnicas de eletrofiação e em fotocatálise por semicondutores, e o grupo da USP irá contribuir com análogos bioinspirados de pigmentos naturais de plantas e experiência em fotofísica. A incorporação bem-sucedida desses corantes e nanopartículas semicondutoras em polímeros eletrofiados deve levar ao planejamento racional de novos sensores e fotocatalisadores heterogêneos.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Vanderlei Salvador Bagnato

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • inct de óptica básica e aplicada às ciências da vida
  • Esta é uma proposta para implementação de um Instituto Nacional com o objetivo claro de continuar realizando ciência fundamental mas, principalmente, criar uma rede Nacional com grande poder de traduzir e transformar ciência e capacidade científica em produtos e processos de alto valor tecnológico na área da óptica. O foco principal está na área da saúde e agricultura. Usando o conhecimento básico que geramos com diversos projetos em desenvolvimento, ou já desenvolvidos, e nossa experiência de inovação, queremos dar-lhes relevância, criando soluções envolvendo óptica e espectroscopia para diversos problemas enfrentados por áreas estratégicas. Serão atacados problemas em quatro frentes: APLICAÇÕES EM DIAGNÓSTICO PARA SAÚDE HUMANA, APLICAÇÕES EM BIOESTIMULÇÃO, APLICAÇÕES EM TRATAMENTOS PARA A SAÚDE HUMANA e APLICAÇÕES AGRO-AMBIENTAIS. As plataformas serão criadas com apoio da ciências básicas e com um ambiente de cooperação com o setor produtivo. Está em nossas metas a criação de diversas plataformas de novas e revolucionárias tecnologias, empregando óptica como elemento principal. Para atingir tais objetivos, estamos propondo uma elaborada rede de competências, inclusive com parcerias entre Institutos, e forte colaboração internacional. Parcerias com empresas deverão completar o orçamento para este propósito, além de assegurar o sucesso de transformar tais desenvolvimentos em benefícios para nossa sociedade. Cada tema é composto de vários sub-projetos, todos inter-conectados num programa que deve promover um excelente ambiente científico de alto estímulo e produtividade. Dar relevância social às ciências deve ser um grande estímulo para envolvermos mais jovens neste campo de atuação. O projeto conjuga várias instituições brasileiras, congrega diferentes especialidades e é ousado no sentido de realmente vislumbrar ciência relevante e responsabilidade para impulsionar tecnologia. A proposta conta com a presença de 58 pesquisadores, 18 instituições, mais de 15 colaborações internacionais , 13 empresas associadas e um elevado número de estudantes e Pós-Doutores. Há uma boa contrapartida vinda dos projetos de indústrias, do projeto CEPID-CEPOF em andamento (que dará enorme apoio principalmente às ciências básicas e fundamentais sendo realizadas), e da própria instituição hospedeira. Nosso projeto representa a continuidade de um programa de sucesso com diversos financiamentos e que encontra nesta proposta a oportunidade de criar uma forte rede de tradução de conhecimento em tecnologia. Fato importante é que para poder trabalhar nestas soluções é necessário ter conhecimento básico em óptica e espectroscopia e uma vasta experiência de interdisciplinaridade e atuação junto aos setores mencionados. Isto nossa equipe tem. Ao longo de mais de uma década de apoio CEPID/FAPESP e INCT-CNPq, montamos um excepcional parque de laboratórios e rede de pesquisa, gerando recursos humanos e conhecimento básico em óptica. Um dos importantes ingredientes é que geramos tradição de pesquisa de ponta com caráter interdisciplinar e uma excelente infra-estrutura neste sentido. Este conhecimento e experiência gerados pode, através desta proposta, realizar as aplicações necessárias para preencher necessidades para grande desempenho da saúde e da agricultura. De um modo geral, esta proposta complementa os nossos projetos existentes e cria uma oportunidade única de desenvolvermos um projeto com o propósito claro de traduzir conhecimento básico em novas tecnologias nestas áreas consideradas estratégicas. Para deixar claro como pretendemos atuar, alguns exemplos de tradução de nosso conhecimento em novas tecnologias são: Nossos trabalhos em terapia fotodinâmica de cunho básico e aplicado geraram conhecimento para que possamos agora desenvolver um grande avanço tecnológico, propondo um sistema que realiza clareamento de cataratas por técnicas oxidativas sem a necessidade de cirurgia; Os trabalhos de foto-estimulação geraram a possibilidade de proporcionar um avanço revolucionário na produção de fermentados como cerveja e leveduras; As investigações básicas para diagnóstico de câncer permitiram que pudéssemos propor tecnologia de rastreabilidade e exame na indústria de alimentos, bem como detecção de pragas na lavoura. Nossos experimentos com átomos frios nos tornaram habilitados para o desenvolvimento de técnicas que permitem avaliar teor de açúcar, sensibilidade neurológica, screening de câncer de mama, Doppler meter, dentre outros; Nossa excelente infra estrutura de nanoplasmônica permite entrar agora na nano-fabricação de materiais inteligentes, para a proposta de nova tecnologia em stents inter-coronários pulsantes que auxiliam o bombeamento de sangue, além de impedir o colapso dos vasos sanguíneos; Sensores de alto desempenho são frutos da combinação de conhecimento de estudos em física atômica e metrologia de tempo e freqüência. Nesta proposta estamos envolvendo diversas instituições que, combinadas aos conhecimentos gerados, poderão modernizar seu portfólio de pesquisa e relevância tecnológica.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 26/11/2016-30/11/2024
Foto de perfil

Vanderlei Salvador Bagnato

Ciências Exatas e da Terra

Física
  • laboratório de apoio à inovação e ao empreendedorismo em tecnologias fotônicas
  • O “Laboratório de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo em Tecnologias Fotônicas” da Universidade de São Paulo – USP interage fortemente com outras instituições de pesquisa e inovação no Brasil e no exterior, através de diversos projetos de colaboração. Essa interação busca o desenvolvimento de tecnologias de ponta na área de óptica e fotônica formando recursos humanos de alta qualificação e estimulando o empreendedorismo.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 16/07/2021-31/07/2024
Foto de perfil

Vanderley Moacyr John

Engenharias

Engenharia Civil
  • tecnologias ecoeficientes avançadas em produtos cimenticios
  • A presente proposta visa a constituição de uma rede de pesquisa (Advanced Eco-Efficient Cement-Based Technologies - AECem) dentro do Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), tendo como objetivo principal desenvolver e disseminar conhecimento e tecnologias que contribuam para aumentar a ecoeficiência de produtos cimentícios. O principal foco será a redução na emissão de gases do efeito estufa, energia e consumo e água e reduzir a necessidade de recursos naturais, por meio de análise do ciclo de vida. Dada a expectativa de crescimento futuro concentrada em nações em desenvolvimento, estratégias economicamente viáveis para o desenvolvimento sustentável considerando a limitações de renda são essenciais. A rede INCT será constituída por grupos de pesquisa com reconhecida excelência nos temas associados à proposta, sendo que a coordenação do projeto fica a cargo do Prof. Dr. Vanderley M. John da Escola Politécnica da USP, liderança nacional e internacional na discussão de sustentabilidade de materiais de construção, sobretudo cimentícios, além de grupos emergentes com grande potencial de crescimento na área. Os seguintes grupos de pesquisa constituem a rede: - Laboratório de Microestrutura e Eco-Eficiência de Materiais (LME)/Poli/USP - Laboratório de Otimização de Sistemas Multifísicos (MSOL)/Poli/USP - Grupo de Pesquisa em Construção e Bem-Estar (C&A)) - Núcleo de Pesquisa em Materiais para Biossistemas (NAP BioSMat)/FZEA-Pirassununga/ USP - Grupo de Físico-Química de Materiais (GFQM)/UNESP - Laboratório de Aplicações de Nanotecnologia para Materiais de Construção (NANOTEC-Lab)/UFSC - Grupo de Pesquisa em Materiais de Construção e Resíduos (GMAT)/ IFPB - Instituto Federal de Santa Catarina/IFSC - Laboratório de Estruturas e Materiais de Construção da Universidade Federal de Alagoas/UFAL - Grupo de Pesquisa em Materiais de Engenharia/UFAM A sinergia e complementaridade dos grupos de pesquisa na rede foi critério para sua montagem, sendo possível propor uma agenda de pesquisa avançada em torno das metas do projeto, convertidas nos seguintes objetivos específicos: 1.Desenvolver soluções para aumentar a eficiência no uso de ligantes, permitindo o crescimento da demanda de materiais cimentícios, sem aumentar o impacto ambiental. 2.Desenvolver nanopartículas funcionais bem como novas rotas para incorporação destas em materiais cimentícios, melhorando a sua funcionalidade, capacidade e o desempenho em uso. 3.Desenvolver ferramentas para otimizar pozolanas produzidas pela calcinação de diferentes argilas, contribuindo na redução da pegada de CO2 e energia dos ligantes. 4.Desenvolver metodologia para caracterização e seleção de agregados e fíleres, relevantes para a aplicação em produtos de baixa intensidade de ligante e baixo teor de água. 5.Desenvolver ferramentas de otimização topológica e design de materiais a gradação funcional aplicadas a componentes cimentícios, e também, métodos e ferramentas para impressora 3D. 6.Avaliar a durabilidade, a retração e fluência de materiais cimentícios de baixa intensidade de ligante e desenvolver soluções para aumento da vida útil. 7.Desenvolver ferramentas simples, baseadas em avaliação do ciclo de vida, para avaliar a ecoeficiência de materiais cimentícios. 8.Formar recursos humanos qualificados para avanço do conhecimento (pesquisa) e implantação do conhecimento na sociedade. 9.Desenvolver um programa de difusão dos conhecimentos gerados para empresas, ONGs e setor público. 10.Integrar as atividades de pesquisa do INCT no cenário internacional, possibilitando a ampliação da rede de pesquisa incluindo a participação de associações cientificas internacionais como RILEM e CIB. 11.Transferir as soluções desenvolvidas para empresas e setor público maximizando os benefícios econômicos e ambientais deste projeto. A coordenação da rede será estruturada em quatro áreas, envolvendo desenvolvimento de recursos humanos, difusão e comunicação científica, transferência tecnológica e gestão financeira. Diversos mecanismos serão implementados para aprimorar a colaboração entre os grupos, inclusive a montagem de uma estrutura de videoconferência dedicada ao projeto. O projeto tem metas ambiciosas relativas a formação de pesquisadores, treinamento de alunos em graduação, aperfeiçoamento de profissionais de empresas e para desenvolvimento de ferramentas de difusão em massa dos resultados das pesquisas, inclusive através de home-page própria e do uso de mídias sociais na internet como Facebook, twitter, entre outras. Os grupos de pesquisa desenvolverão seus trabalhos em torno de princípios definidos: - Eco-eficiência como um conceito direcionador - Foco na cadeia produtiva - Abordagem multidisciplinar com sinergia entre os grupos - Pesquisa em nível internacional - Colaboração com a indústria - Colaboração com agências governamentais e com a sociedade civil Este projeto INCT tem um grande potencial para inovações tecnológicas, visto que ele acompanha soluções eco-eficientes para enormes ganhos econômicos e impacto direto na sociedade. Alguns possíveis temas de inovação: - Estratégia de negócios para a mitigação das emissões de CO2; - Moderna tecnologia para reduzir a demanda de água em produtos à base de cimento; - Cimentos inovadores de baixo índice de ligantes; - Materiais suplementares inovadores de cimento e agregados; - Software, baseado em metodologia, para formulação de concreto e argamassa; - Formulações otimizadas de concreto e argamassa; - Processamento avançado de materiais de cimento; - Métodos de controle de qualidade com base científica para a produção de cimento; - Materiais leves com propriedades mecânicas e durabilidade melhoradas; - Concretos de alto desempenho com baixo conteúdo de ligante; - Materiais de elevada durabilidade com baixo conteúdo de ligante; - Projeto baseado em otimização topológica; - Produção digital de materiais à base de cimento; - Metodologia avançada da análise do ciclo de vida.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 23/11/2016-30/11/2024