Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Thiago Eduardo Pedreira Bueno

Outra

Multidisciplinar
  • 6a mostra de ciências: ciência é soberania
  • A Mostra de Ciências é uma consequência da tradicional Mostra de Física & Astronomia da UFES que acontece anualmente desde 1997. Este evento teve início com um grupo de estudantes de graduação em física que convidando turmas de alunos de ensino fundamental e médio a ficarem algumas horas na Universidade interagindo com experimentos científicos, passou a receber também a colaboração dos cursos de química, matemática, estatística, geografia e biologia, na construção de um evento que recebe em média 7.000 alunos de escolas municipais, estaduais, federais e privadas da região metropolitana de Vitória e interior do Espírito Santo. Com tal recrudescimento, foi natural que a Mostra de Física desse lugar à Mostra de Ciências, e passasse a integrar efetiva e oficialmente dezenas de docentes e centenas de discentes de diversos cursos em uma proposta unificada de divulgação e popularização das atividades acadêmicas. Desde essa transformação o CNPq tem tido um papel fundamental no apoio deste que é um dos maiores Programas de extensão universitária e divulgação científica do estado do Espírito Santo. A partir dos recursos obtidos nos Quatro Editais anteriores da SNCT/linha A desta agência, o evento se tornou ainda mais consolidado em todo o estado. Neste ano, este tradicional evento interdisciplinar e transversal por natureza, deverá abordar a relação existente entre ciência e desenvolvimento de tecnologias com a Soberania Nacional.
  • Universidade Federal do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 21/09/2022-31/03/2023
Foto de perfil

Thiago Eduardo Pedreira Bueno

Ciências Exatas e da Terra

Matemática
  • 5a mostra de ciências: para além do conhecimento
  • A Mostra de Ciências é uma consequência da tradicional Mostra de Física & Astronomia da UFES que acontece anualmente desde 1997. Este evento teve início com um grupo de estudantes de graduação em física que convidando turmas de alunos de ensino fundamental e médio a ficarem algumas horas na Universidade interagindo com experimentos científicos, passou a receber também a colaboração dos cursos de química, matemática, estatística, geografia e biologia, na construção de um evento que recebe em média 7.000 alunos de escolas municipais, estaduais, federais e privadas da região metropolitana de Vitória e interior do Espírito Santo. Com tal recrudescimento, foi natural que a Mostra de Física desse lugar à Mostra de Ciências, e passasse a integrar efetiva e oficialmente os docentes e discentes de diversos cursos em uma proposta unificada de divulgação e popularização das atividades acadêmicas. Desde essa transformação o CNPq tem tido um papel fundamental no apoio deste que é o maior evento de extensão universitária e divulgação científica do estado do Espírito Santo. A partir dos recursos obtidos nos três editais anteriores da SNCT/linha A desta agência, o evento se tornou ainda mais consolidado em todo o estado. Neste ano, este tradicional evento interdisciplinar e transversal por natureza, deverá abordar o papel da transversalidade na relação existente entre o ensino de ciências e o desenvolvimento de tecnologias para a solução de grandes problemas da humanidade.
  • Universidade Federal do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 07/10/2021-31/10/2023
Foto de perfil

Thiago Frances Guimarães

Ciências da Saúde

Farmácia
  • desenvolvimento de comprimidos dispersíveis para o tratamento pediátrico da malária usando resinas de troca iônica.
  • Dentre as doenças parasitárias mais conhecidas, a malária permanece endêmica principalmente nos trópicos, inclusive na Amazônia brasileira, sendo o maior número de vítimas crianças de 0 a 5 anos de idade. Atualmente os medicamentos mais utilizados no tratamento (difosfato de primaquina e difosfato de cloroquina) estão disponíveis na forma de comprimidos, dificultando a administração em crianças menores de cinco anos. As abordagens para melhorar a aceitação destes medicamentos incluem a complexação com resinas de troca iônica, para o mascaramento do sabor amargo dos fármacos, e a preparação de formulações edulcoradas e aromatizadas. A ausência de efeitos colaterais locais ou sistêmicos, associado com a grande estabilidade física e química dos complexos resinatos obtidos, somado à insolubilidade dessas resinas no trato gastrointestinal favorecem o uso desse material como adjuvantes de formulações pediátricas. O desenvolvimento de medicamentos específicos para pacientes pediátricos sempre foi um desafio para os formuladores. A aceitação de medicamentos orais por crianças é complexa e está relacionada a uma diversidade de fatores, incluindo a palatabilidade da formulação. A via oral é considerada a mais conveniente, segura e menos dispendiosa forma de administração de medicamentos. Dentre as diferentes formas farmacêuticas que existem para administração de medicamentos por esta via, comprimidos dispersíveis ou de desintegração oral são reconhecidos como promissores para uso em pacientes pediátricos, especialmente devido às suas rápidas propriedades de desintegração, podendo ser administrados sem a ajuda de água e não apresentarem problemas de deglutição. O fato de que comprimidos dispersíveis podem ser formulados com sabores aceitáveis para crianças aumenta ainda mais a importância dessas formas farmacêuticas no tratamento deste grupo de pacientes.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 24/06/2022-30/06/2024
Foto de perfil

Thiago Gonçalves Paluma Rocha

Ciências Sociais Aplicadas

Direito
  • as novas tecnologias e o acesso transnacional à justiça no stj
  • Na atual conjuntura, a globalização trouxe profundas transformações na sociedade, promovendo uma internacionalização da vida privada a partir das atividades humanas exercidas sob a jurisdição de diferentes Estados, aumentando a demanda dos Tribunais internos na solução de litígios entre partes sob diferentes ordens jurídicas. O Brasil possui experiência na análise de relações jurídicas internacionais, participando de diversos tratados no âmbito americano e do Mercosul sobre a cooperação interjurisdiconal. O STJ, foco da pesquisa, tem implementado mecanismos de intercâmbio capazes de difundir avanços alcançados nos últimos anos pelo Judiciário e de identificar boas práticas inovadoras que contribuirão para a atividade judiciária no país. O objetivo é promover uma ambiência para o incremento, no Brasil, de relações com elementos internacionais, a partir de um meio mais eficaz para o acesso transnacional à justiça. Como objetivos específicos: analisar novas tecnologias e suas contribuições no acesso transnacional à justiça em uma perspectiva de litígios decorrentes de relações privadas internacionais. A hipótese é contribuir para o desenvolvimento da questão no país, gerando um ambiente mais propício e seguro para a recepção de novos investimentos estrangeiros e recepção de imigrantes para o desenvolvimento de relações interpessoais e negócios, assim como de evolução na doutrina relativa ao tema. A pesquisa realizará um estudo bibliográfico e documental, a partir da análise, comparada, da normativa, doutrina e dados do STJ sobre Cartas Rogatórias e outras medidas de cooperação que envolvam o Brasil. O resultado esperado é verificar de que forma o STJ pode implementar instrumentos das novas tecnologias aplicadas ao acesso transnacional à Justiça, além de permitir o desenvolvimento de conhecimento que contribua para uma ambiência de aprofundamento e desenvolvimento de relações negociais e interpessoais internacionais que favoreçam a segurança jurídica
  • Universidade Federal de Uberlândia - MG - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025