Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Adillys Marcelo da Cunha Santos

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • scaffolds bioativos fibrilares híbridos orgânico-inorgânicos com potencial de liberação de moléculas osteoindutoras
  • A baixa disponibilidade de tecido ósseo de pacientes submetidos à procedimentos cirúrgicos de autoenxertos levou ao surgimento de pesquisas e desenvolvimento de materiais na forma de scaffolds, capazes de liberar íons terapêuticos e moléculas osteoindutoras para auxiliar na regeneração do tecido ósseo. O desenvolvimento de scaffolds híbridos de biocerâmicas e polímeros biocompatíveis e biodegradáveis tem se destacado por combinarem propriedades intrínsecas de cada componente, como rigidez e flexibilidade, respectivamente, além de promoção da liberação controlada dos componentes osteoindutores nele contido. Embora existam muitos procedimentos usados na confecção de tais estruturas, técnicas de produção de fibras como Solution Blow Spininig, ou simplesmente SBS, se mostram mais promissoras devido à similaridade com a natureza fibrilar da matriz extracelular do osso (MEC). No entanto, na confecção de scaffolds híbridos fibrilares, existe uma limitação de quantidade adicionada de biocerâmica contendo íons terapêuticos, o que muitas vezes provoca precipitação da fase orgânica, ou mesmo colapso estrutural. Além do mais, muitos estudos usam solventes tóxicos que podem gerar resíduos e, por conseguinte, influenciar na atividade celular. Moléculas osteoindutoras têm sido investigadas nos estudos de engenharia de tecidos, assim também como formas de controlar sua liberação. Neste trabalho, pretende-se procurar novas rotas de desenvolvimento de scaffolds contendo biocerâmicas e fármacos, combinando a SBS com o procedimento de sol-gel, de forma a otimizar a incorporação e encapsulamento dos materiais osteoindutores, bem como estudar sua bioatividade in-vitro e cinética de liberação. Os scaffolds também serão caracterizados do ponto de vista morfológico, propriedades térmicas, avaliando também alguns aspectos da química de superfície. Por fim, o trabalho permitirá a consolidação de parcerias entre professores da UFRB, alunos e parceiros externos à instituição.
  • Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - BA - Brasil
  • 07/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Adilson Luiz Chinelatto

Engenharias

Engenharia de Materiais e Metalúrgica
  • desenvolvimento de eletrodos para aplicação em células a combustível reversíveis de óxido sólido - rsofc
  • As Células a Combustível de Óxido Sólido (SOFC) são dispositivos eletroquímicos que geram energia elétrica a partir de reações químicas, sendo uma fonte de energia com alta eficiência, sustentável e ambientalmente amigável. Dentre os diversos tipos de SOFCs, as Células a Combustível Reversíveis de Óxido Sólido (RSOCs) permitem não só gerar energia elétrica, mas também podem gerar seu próprio combustível nos momentos em que não há a necessidade da geração de energia elétrica. As principais RSOFCs operam na faixa de 800-1000°C. Estas elevadas temperaturas de operação encarecem sua produção e limitam sua utilização em aplicações de pequeno porte. Uma das alternativas para o abaixamento da temperatura de operação é utilizar RSOFC com eletrólitos condutores de prótons (RSOFC-PCFC), os quais podem operar em temperaturas entre 400-600°C. Para o funcionamento de uma RSOFC, são necessários dois eletrodos, sendo um para as reações do oxigênio e um para as reações do hidrogênio. Para viabilizar o uso das RSOFCs-PCFC é necessário ainda um maior desenvolvimento desses eletrodos, os quais possuem um importante papel, pois a cinética da reação no eletrodo de oxigênio e no eletrodo de hidrogênio são mais lentas do que a difusão dos íons no eletrólito. Estes eletrodos precisam funcionar como catalisadores das reações eletroquímicas, possuir condutividade eletrônica e ter compatibilidade química e térmica com o eletrólito. A literatura tem demostrado que o uso de materiais compósitos com condutividade mista eletrônica-protônica aumenta a eficiência do eletrodo. Para este projeto serão desenvolvidos eletrodos de oxigênio e hidrogênio para células RSOFC–PCFC. O eletrodo de oxigênio será um material compósito formado entre o eletrólito com composição BaCe(0.2)Zr(0.7)Y(0.1)O(3-d) (BCZY) e um condutor eletrônico baseado no LaNi(x)M(1-x)O(3-d) (LNM) com M=Fe, Cr ou Co, e o eletrodo de hidrogênio será um compósito formado por Ni metálico e BCZY.
  • Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025