Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Valerio De Patta Pillar

Ciências Biológicas

Ecologia
  • rede de áreas de pesquisa ecológica de longa duração nos campos dos biomas pampa e mata atlântica (peld campos sulinos)
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 03/12/2020-31/12/2024
Foto de perfil

Valmir Emil Hoffmann

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • um remédio para o impacto da covid-19 nas empresas e regiões: relações interoganizacionais, instituições de suporte local e seu efeito sobre a resiliência
  • Resiliência pode ser entendida como um processo pelo qual organizações e territórios conseguem manter suas funções e estruturas ou adaptá-las ante uma adversidade ou choque. O crescente interesse sobre o tema na literatura de gestão denota sua importância para a pesquisa atual. Em um território, as relações interorganizacionais e as instituições de suporte locais (ISL) podem auxiliar a responder a um choque, ao transferir recursos por um lado e prover serviços, por outro. Um dos resultados pode ser a inovação na empresa. Assim, pergunta-se: qual o efeito das relações interorganizacionais e das ISL na resiliência de territórios e de empresas aglomeradas territorialmente ante uma crise? A investigação será realizada em seis aglomerados territoriais, cinco no Brasil – dois de agronegócio, dois têxteis, e um de calçados – e um na Espanha – de calçados. Ela envolverá: i) abordagem qualitativa no nível do território, por meio de dados documentais e de entrevistas em profundidade (saturação teórica); ii) abordagem quantitativa, no nível da empresa. O tratamento dos dados qualitativos será por análise de conteúdo, e para os quantitativos, estatística descritiva e multivariada, com o uso de análise de equações estruturais. Esse trabalho dará contribuições ao tema ao: i) adotar a análise multinível para a pesquisa, já que o comum é adoção de apenas um nível; ii) determinar diferenças na atuação das ISL, que possam corroborar a resiliência da indústria, considerando os seis locais distintos; iii) adotar uma perspectiva de estratégia, para estudar a resiliência das empresas, o que ainda é algo incipiente na literatura; iii) verificar a existência de um efeito território e/ou indústria, na resiliência das firmas; iv) verificar o efeito de um choque justo no momento em que ele acontece. Do ponto de vista gerencial, será possível identificar o perfil da empresa e do território que foram mais resilientes, provendo conhecimentos para gestores, tanto de empresas como de territórios.
  • Universidade Federal de Santa Catarina - SC - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Valtencir Zucolotto

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • rede tb teranósticos: desenvolvimento de kits de teste rápido para o diagnóstico da tuberculose e de novas estratégias de terapia para tratamento combinado da tuberculose resistente
  • A tuberculose (TB) é uma doença infecciosa causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis que afeta com mais frequência os pulmões, mas pode infectar qualquer parte do corpo, incluindo os ossos e o sistema nervoso. A bactéria se espalha facilmente pelo ar quando pessoas infectadas tossem, falam, cospem ou espirram, aumentando as chances de transmissão. No Brasil a TB nunca foi uma doença erradicada, e mesmo em países desenvolvidos como Estados Unidos e Inglaterra, onde essa doença havia sido cessada, um alarmante aumento de novos casos iniciou-se na década de 1980. Se não diagnosticada e tratada rapidamente, essa doença pode matar em poucos dias. Por se tratar de uma doença infecciosa, a TB se espalha rapidamente por todo o mundo, e em especial no Brasil causando milhares de infecções e gerando altíssimos gastos para o Sistema Único de Saúde (SUS). Os principais desafios desta infecção incluem diagnósticos específicos e maior eficiência no tratamento. O diagnóstico é realizado por meio de um conjunto de sintomas, e após detecção da bactéria no escarro do paciente infectado. O tratamento tem se tornado cada ver mais complexo uma vez que já existem casos de resistências aos antibióticos anti-TB. Sendo assim, se faz necessário o desenvolvimento de sistemas de diagnóstico para TB a partir de dispositivos de baixo custo e de rápida especificidade, assim como um tratamento mais eficaz a partir da melhora na biodistribuição dos medicamentos existentes anti-TB. A aplicação de nanotecnologia, tanto no diagnóstico, quanto na terapia pode ser uma excelente estratégia. A utilização de biossensores nanoestruturados pode promover melhora na sensibilidade e especificidade do diagnóstico. Na terapia, o carreamento de ativos anti-TB e liberação controlada associado à terapia fototérmica poderá aumentar o tempo de permanência e ação do fármaco. Nosso objetivo nesse projeto Multicentros é desenvolver avanços em terapia e diagnóstico (área denominada Teranóstica) em duas frentes de pesquisa, ambos, 1) dispositivos de teste rápido (Kits biossensores) nanoestruturados para diagnóstico da TB no plasma do paciente e 2) sistemas nanocarreadores dos ativos anti-TB incluindo isoniazida, rifampicina e etambutol entre outros e nanopartículas para melhorar o tratamento da TB. Ressaltamos que o projeto prevê o desenvolvimento de tecnologias altamente inovadoras em diagnóstico e terapia para TB, e esclarecemos que apesar de ser um projeto que atuará principalmente na fase pré-clínica, NÃO se trata de um projeto inicial para prova de conceito. Ao contrário, esse projeto é uma extensão do projeto em andamento em uma rede coordenada pelo no nosso grupo GNano /USP para desenvolvimento de kits de diagnóstico pra Zika e Dengue (CNPq: Processo: 440496/2016-0), Capes: Processo: 88881.130763/2016-01 programa zika 2075/2016), que encerra-se em 2020, e já está na fase avançada de obtenção dos protótipos. ASSIM, ESPERAMOS QUE COM O PRESENTE PROJETO, TODA EXPERTISE PRODUZIDA NO KIT DE DETECÇÃO DE ZIKA E DENGUE QUE JÁ ESTÁ EM FASE AVANÇADA PARA O DESENVOLVIMENTO DE TESTE COMERCIAL PARA DIAGNÓSTICO, POSSA SER ADAPTADA E TRANSFERIDA/OTIMIZADA PARA UM KIT INÉDITO NO MERCADO, DE TESTES RÁPIDOS PARA TUBERCULOSE. O mesmo se aplica para o segundo objetivo do projeto, de nanocarreadores para terapia de TB resistente, uma vez que em outros projetos que nosso grupo participa desenvolvemos tal metodologia pra entrega de fármacos em câncer (Células Tronco e Terapia Celular no Câncer Processo: INCT Fapesp 14/50947-7. Novamente, no presente projeto pretendemos otimizar esses sistemas para a terapia da TB resistente. O projeto em rede é multicentro e inserido no âmbito do BRICS onde conta com a colaboração de pesquisadores da África do Sul e da India, a saber: Prof. Dr. Ahmed A. Hussein, Chemistry department, Cape Peninsula University of Technology, South Africa e Dr. L. Robindro Singh, North-Eastern Hill University, Shillong, India. As frentes principais de pesquisa são: i) sistema de kit diagnóstico baseados em imunossensores e ii) sistemas nanoencapsulados contendo ativos anti-TB e nanopartículas para tratamento da tuberculose resistente. Além dos centros de pesquisa da Índia e da África do Sul, o projeto conta com pesquisadores de três grandes centros do Brasil, o Grupo de Nanomedicina e Nanotoxicologia (IFSC/USP) (coordenador), EMBRAPA Instrumentação (São Carlos) e INMETRO. O projeto prevê como entregáveis um Kit para teste rápido da TB capaz de diagnosticar de maneira rápida e precisa, e sistemas nanoencapsulados para tratamento combinado da TB. Esses sistemas poderão ser rapidamente absorvidos pelo SUS, principalmente o sistema diagnóstico, levando a testes mais precisos e acessíveis à população brasileira, permitindo um maior número de diagnósticos a menor custo. Além disso, espera-se a formação de recursos humanos altamente qualificados numa área altamente relevante e multidisciplinar. Possíveis testes clínicos com os dispositivos/terapêuticos aqui desenvolvidos poderão ser realizados em colaboração com outras redes dentro dessa chamada, a ser gerenciado pelo DECIT.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 17/06/2020-30/06/2023
Foto de perfil

Valtencir Zucolotto

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • células artificiais biomiméticas a base de linfócitos engenheirados como estratégia inovadora na terapia do câncer
  • O câncer compreende um grupo heterogêneo de doenças de origem multifatorial de grande incidência e mortalidade. Considerado um dos maiores problemas de saúde pública mundial, representa atualmente a principal barreira ao aumento da expectativa de vida. De acordo com a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC, do inglês, International Agency for Research on Cancer), em 2018, 18,1 milhões de novo casos foram diagnosticados e 9,6 milhões de óbitos registrados. No Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), aproximadamente 600.000 novos casos de câncer ocorreram anualmente, entre 2018 e 2019, e as estimativas para cada ano do triênio 2020-2022, serão de aproximadamente 625 mil novos casos. O tratamento do câncer representa um grande desafio para a comunidade médica. Embora grandes avanços no diagnóstico e tratamento de diferentes neoplasias tenham sido alcançados nos últimos anos, a partir de abordagens (bio)tecnológicas, ainda há a necessidade de busca de alternativas capazes de garantir um aumento significativo da qualidade e expectativa de vida do paciente. É urgente a necessidade de desenvolvimento de novas abordagens terapêuticas contra o câncer. A terapia alvo-dirigida de fármacos utilizando biomoléculas como ligantes visa favorecer a vetorização sítio-específica para região tumoral, minimizando os efeitos colaterais sistêmicos. Nesse cenário, a nanomedicina, que contempla hoje uma grande área da nanotecnologia, representa uma importante ferramenta na abordagem de novas possibilidades terapêuticas e diagnósticas voltadas às neoplasias, apresentando bons resultados e superando dificuldades comuns dos tratamentos convencionais. Mais recentemente, o desenvolvimento de células artificias baseadas no uso de membranas extraídas de células tumorais e de linfócitos e destinadas à criação de nanovesículas para o encapsulamento de diferentes quimioterápicos, representa uma tecnologia inovadora, com enorme potencial na terapia anti-câncer. As nanoestruturas formadas atuam como células artificiais biomiméticas (CAB) e podem combinar as vantagens da entrega específica do fármaco através da identificação pelo autorreconhecimento com a capacidade da camuflagem diante do sistema imunológico. Adicionalmente, a modulação de aspectos imunológicos proporcionando a apresentação de antígenos ocorre de maneira mais efetiva e, portanto, favorece o desenvolvimento de um perfil de ativação anti-tumoral nas células imunocompetentes. Nesse projeto serão desenvolvidas células artificiais compostas por lipídeos e proteínas extraídas da membrana de células tumorais (pulmão: A549 ou glioblastoma: SW1088 e U251) combinadas com membranas de linfócitos T (J.RT3-T3.5 ou J.CaM1.6), e engenheiradas para entrega específica de diferentes agentes terapêuticos. As células artificiais serão utilizadas para direcionar carboplatina e temozolamida, para o tratamento alvo de tumor de pulmão NSCLC e glioblastoma, respectivamente. As células artificiais também serão utilizadas para o carreamento de bevacizumabe, um anticorpo monoclonal recombinante que inibe fatores pró-angiogênicos. O estudo ampliará o conhecimento acerca das doenças, do desempenho dos nanossistemas no ambiente tumoral, e trará grande contribuição científica e (bio)médica na luta contra o câncer. Contamos com uma equipe multidisciplinar em um projeto multicêntrico, que congrega pesquisadores do Grupo de Nanomedicina e Nanotoxicologia da USP São Carlos (SP), com experiência em várias linhas de pesquisa voltadas para Nanomedicina teranóstica, e do Hospital Pediátrico Pequeno Príncipe, Curitiba (PR), referência em oncologia no país que possui projetos inovadores em imunoterapias contra o câncer. Essa equipe de pesquisadores e alunos possui experiência nas temáticas aqui propostas e também atuará como agentes de difusão científica e ações de extensão à comunidade, como previsto no projeto.
  • Universidade de São Paulo - SP - Brasil
  • 07/12/2020-31/12/2023
Foto de perfil

Valter Afonso Vieira

Ciências Sociais Aplicadas

Administração
  • o papel moderator da ênfase estratégica e do cash holding na relação entre a administração míope de marketing e o deesmpenho da ação
  • Estudos sobre gerenciamento de marketing míope postulam que, embora a diminuição do investimento em marketing gere um aumento no lucro no curto prazo, ela promove efeito negativo no valor da empresa no longo prazo. Esta associação é clara, mas ignora a necessidade dos gerentes de gerenciar a retenção de caixa, bem como estabelecer a ênfase na criação de valor estratégico (vs. valor de apropriação). Os autores analisam os efeitos moderadores da manutenção de caixa e da criação de valor estratégico na relação entre o marketing míope e o desempenho das ações de curto e longo prazo. O estudo empírico usará dados longitudinais de empresas americanas ao longo de t anos.
  • Universidade Estadual de Maringá - PR - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025