Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Whasley Ferreira Duarte

Ciências Agrárias

Agronomia
  • processo integrado de aproveitamento de subprodutos da cadeia produtiva do café para produção de destilado, bioativos e biofertilizante microalgal
  • O café é uma das principais comodities mundiais tendo o Brasil produzido 69 milhões de sacas em 2020, o que corresponde a 36% da produção mundial. Mais de 50% do volume do fruto do café é removido durante o processamento gerando subprodutos como casca, polpa, grãos defeituosos e água residuária. Diversas pesquisas vêm sendo realizadas atualmente buscando-se o desenvolvimento de processos e tecnologias que permitam o aproveitamento destes subprodutos e ainda a geração de produtos de valor agregado. A composição de açucares fermentescíveis, proteínas, nutrientes diversos, oligossacarídeos, compostos bioativos e o volume gerado dos subprodutos justificam a pesquisa e desenvolvimento no contexto do aproveitamento dos subprodutos do café. Ademais, alguns dos subprodutos do café representam um problema ambiental quando não corretamente descartados. Recentemente utilizamos a casca “melosa” do café, produzindo uma bebida destilada com aroma marcante de café verde que apresentou todos os parâmetros de qualidade (MAPA) para consumo. Propomos neste projeto a utilização de grãos defeituosos do café (pretos, verdes e ardidos) como substrato para fermentação alcoólica na produção de um destilado de café e a utilização da vinhaça resultante para o cultivo de microalgas a serem utilizadas como biofertilizante. Além do uso como substrato para cultivo de microalga, a vinhaça também será utilizada para extração de compostos bioativos termoestáveis de valor agregado como ácido clorogênico. Os grãos defeituosos serão triturados e utilizados no preparado do mosto. Após a fermentação o fermentado será destilado para produção de uma aguardente de café que será caracterizada quanto aos aspectos físico-químicos. A vinhaça resultante da destilação será utilizada como substrato de Desmodesmus sp. A biomassa da microalga será avaliada como biofertilizante na cultura da soja. A vinhaça será também utilizada para extração em fase sólida para recuperação de, principalmente, acido clorogênico.
  • Universidade Federal de Lavras - MG - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Wildo Navegantes de Araújo

Ciências da Saúde

Medicina
  • determinação da acurácia de diferentes testes e dinâmica da transmissão e evolução da infecção por sars-cov-2 na população privada de liberdade
  • No Brasil, o encarceramento em massa sem estrutura adequada leva a uma superpopulação carcerária em condições inapropriadas, acarretando problemas de saúde relacionados ao ambiente. Locais de alta densidade populacional são considerados como potenciais disseminadores da COVID-19 por sua elevada transmissibilidade. Avaliar novas tecnologias diagnósticas para o COVID-19 e conhecer a dinâmica da transmissão da doença na população privada de liberdade (PPL) é imprescindível para ações eficazes de controle nesse cenário de alta vulnerabilidade. No sistema prisional, as medidas habitualmente adotadas para a população geral não são aplicáveis. Para a realidade das prisões, as medidas atualmente adotadas visam minimizar o contato com pessoas externas às unidades prisionais, através da suspensão de visitas, limitação das audiências e redução das transferências. Os estudos em PPL podem auxiliar os serviços de saúde a implementar medidas mais eficazes no controle da doença, bem como gerar resultados que colaborem para a prevenção futura de surtos epidêmicos. Por conta da possibilidade de testar pelo menos três técnicas diagnósticas novas para detecção do vírus ou do desenvolvimento de anticorpos (RT-PCR, ELISA, GeneXpert-COVID-19, teste rápido imunocromatográfico), os resultados dessa pesquisa poderão ir além dos resultados diretamente para a população prisional, mas também trazer resultados da acurácia dos testes que poderão ser incorporados no arsenal de medidas para o controle do COVID-19. Na proposta, visamos determinar a acurácia de diferentes testes diagnósticos e a dinâmica da transmissão e evolução da infecção por SARS-COv-2 em presídios no Mato Grosso do Sul (Estabelecimento Penal Jair Ferreira de Carvalho e Instituto Penal de Campo Grande) e Distrito Federal (Complexo da Papuda: Penitenciária do DF I e Penitenciária do DF II). Os objetivos específicos são avaliar a acurácia de novos diagnósticos para coronavírus no cenário local; Medir a prevalência e a taxa de infecção por coronavírus nas prisões; Caracterizar a dinâmica da infecção viral por coronavírus em PPL; Descrever os dados epidemiológicos e clínicos dos casos confirmados de COVID-19; Identificar a cadeia de transmissão do vírus no ambiente prisional. Será conduzido um estudo observacional, descritivo, quantitativo de casos de infecção por SARS-COv-2 em população privada de liberdade associado a uma abordagem analítica relacionada ao estudo de acurácia entre testes laboratoriais. Os participantes serão previamente informados do estudo e terão suas dúvidas esclarecidas. Aqueles participantes que forem considerados elegíveis e aceitarem participar deverão assinar o TCLE, e só então responderão ao questionário com perguntas objetivas, dando início a sua participação na pesquisa. Os dados coletados ficarão sob a guarda e a responsabilidade dos pesquisadores por período de cinco anos. Os resultados decorrentes do estudo, favoráveis ou não, serão organizados e apresentados à sociedade científica na forma de relatórios para os gestores, publicações de artigos científicos e resumos em eventos científicos, prezando sempre pelo sigilo de modo que nenhum participante seja identificado. Reitera-se que a pesquisa não trará riscos imediatos ou futuros aos participantes. Durante a coleta de sangue e swab nasal e orofaríngeo poderá ocorrer desconforto durante os procedimentos e, raramente, hematoma no local da punção venosa. Reitera-se, ainda, que o benefício direto será o diagnóstico laboratorial da doença, seja na fase assintomática como sintomática, reduzindo, por exemplo, surto e óbitos. Além disso, a utilização dos dados/resultados obtidos no desenvolvimento da pesquisa será importante para a reorientação de ações e propostas de vigilância e manejo referentes à transmissão dessa infecção na população estudada. Seguindo as determinações da Resolução no. 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde, a mesma será encaminhada ao Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (CEP/UFMS) e para o Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (FM/UnB) para as providências de praxe.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 27/08/2020-26/09/2022