Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

William Ernest Magnusson

Ciências Biológicas

Ecologia
  • peld do sudoeste do amazonas (psam)
  • O PELD-PSAM visa consolidar e recuperar infraestrutura de campo (parcelas e transecções de amostragem usados no sistema RAPELD) inicialmente instaladas em 2006. A instalação da infraestrutura de pesquisa padronizado permitiu a inclusão de informações desta região no desenvolvimento de estudos sobre padrões e processos na distribuição de plantas e animais. Estes estudos incluírem vários grupos de plantas lenhosas, aves, morcegos, cobras, anfíbios, lagartos, jacarés e peixes. Somente um estudo avaliou os fatores afetando a distribuição de vários grupos taxonômicos juntos e aqueles autores apontaram a falta de estudos integrados nas áreas longe do rio Amazonas. Um dos maiores impedimentos ao reconhecimento de impactos de longo prazo é o problema de escala. Isto é, como diferenciar mudanças devido aos impactos locais dos efeitos de mudanças globais? Em geral, mudanças locais somente podem ser interpretadas se inseridos num modelo regional ou global. Uma maneira de contornar estes problemas é de usar métodos padrões comparáveis entre sítios, permitindo a integração sobre espaço e tempo. Os métodos usando dentro do sistema RAPELD são compatíveis com os usados em muitos outros sítios de pesquisa no Brasil, sistemas usados em outros países, e idênticos os usados em alguns outros sítios PELD na Amazônia (FORR, IAFA, POPA). Uma das áreas de maior preocupação ambiental está nos redores da estrada BR 319 que atravessa o interflúvio dos rios Purus e Madeira e conecta Manaus e Humaitá. A estrada está em péssima condição e não é adequada para trânsito intensivo. No entanto, os planos para a recuperação da estrada levantaram preocupação entre os ambientalistas porque este pode facilitar acesso à região e resultar em desmatamento extensivo. Simulações do desmatamento previsto para os próximos 20 anos apontam que o cenário “com estrada” reduzirá a cobertura florestal original em pelo menos 16,6%. Áreas fora de unidades de conservação, representam cerca de 44% da região da BR 319 e estão localizadas em sua maioria nas regiões que hoje sofrem o maior grau de ameaça. Vários estudos pontuais tinham sido feitos, mas não existirem estudos integrados que permitiriam a avaliação dos impactos da estrada na fauna e flora. A remedição em módulos fora das unidades de conservação (área tampão) para madeira morta em 2019 mostrou que o corte ilegal de árvores em terras públicas ameaça a floresta na região. Duas de 5 parcelas em uma área de pesquisa foram afetadas por corte ilegal de árvores, e 3 de cinco em outra área. Os estudos feitos até agora e os levantamentos previstos nesta proposta providenciam a linha de base para a avaliação do efeito da estrada dentro e fora das unidades de conservação. As unidades pesquisa (módulos do sistema RAPELD) já instalados estão orientados a 90 graus das estradas, permitindo uma avaliação da distância que efeitos da recuperação da estrada terão na biodiversidade. A avaliação da susceptibilidade da floresta a mudanças é importante porque a região é responsável para a captação de água para as áreas usadas por colônias de pescadores nos rios Madeira e Purus. Até o momento, não foram desenvolvidos estudos experimentais dentro da área proposta para o PELD-PSAM, exceto o experimento “natural” que envolve a BR 319 e o posicionamento das parcelas a várias distâncias da estrada. No entanto, observações durante os levantamentos feitos durante os últimos 10 anos indicam que as interações entre organismos e processes ecológicos podem estar sendo afetados pela disponibilidade de sódio. A floresta amazônica recicla água do Oceano Atlântico e o oestes da Amazônia tem menor deposição de sódio do que em regiões mais perto do mar. Este processo pode ser interrompido pelo desmatamento com fortes implicações para a disponibilidade de sódio na floresta. Sódio tem pouca importância para a maioria de plantas, mas pode ser limitante para animais. Isto fica óbvio no comportamento de abelhas, que são atraídas em massa para qualquer fonte de sal, como suor humano. Não se sabe as diferenças causada pela disponibilidade de sódio na polinização ou decomposição da liteira em áreas naturais, ou quais os efeitos de criação de animais com o provisionamento de sal em áreas perto da floresta ou fontes de sal associados com lixo humano perto da rodovia. Estas perguntas podem ser respondidas com experimentos controlados. A integração de dados sobre ecologia de ecossistemas desta região já foi feita em estudos de grande escala e estes providenciam subsídios para políticas públicas nacionais. No entanto, ainda não foi feito uma integração destes estudos numa escala local (Município de Humaitá) para identificar lacunas e tirar conclusões quando viável. Esta é um dos principais objetivos desta proposta. Todas estas perguntas somente podem ser respondidas com estudos de longo prazo usando métodos comparáveis. Para entender quais processos naturais (fenômenos meteorológicos, tipo de solo, interações entre espécies etc.) e intervenções humanas afetam a biodiversidade é necessário ter dados de longo prazo sobre muitos grupos biológicos.
  • Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - AM - Brasil
  • 05/12/2020-31/12/2024
Foto de perfil

William Gaia Farias

Ciências Humanas

História
  • a política internacional e as estratégias militares relacionadas ao comércio e navegação no rio amazonas e mar do caribe (1895-1920).
  • O projeto objetiva reconstruir processos, ações e planos sobre a navegação interligada entre o Mar do Caribe e a Amazônia, considerando a política internacional, a diplomacia do governo brasileiro com diversos países em trânsito com interesses nesse contexto e os impactos no comércio no período de transformações da economia e das relações internacionais que caracterizou o auge da Era dos Impérios. O pressuposto mais importante para tal considera a navegação como um fio condutor da economia construída pela expansão industrialista e imperialista que passou a ser objeto duplo de preocupações nas relações internacionais devido os conflitos entre duas ou mais nações que poderiam afetar o comércio e o transporte marítimos e pelas possibilidades dos navios suprirem fontes de contrabando e financiamento de partes em conflito. Parte da guerra de independência de Cuba, iniciada em 1895, quando do bloqueio naval imposto pelos Estados Unidos contra a Espanha, que suscitou para a diplomacia brasileira a primeira grande discussão em torno do direito das embarcações neutras, o acesso às rotas de comércio na área e o tratamento dado pelos beligerantes aos navios brasileiros. O período estudado será até o final da Primeira Guerra Mundial, pois houve preocupações com a manutenção da neutralidade no conflito que motivaram um intenso controle à navegação e aos navios e os desdobramentos da crise dos combustíveis, com a consolidação da rota de comércio de carvão mineral entre Estados Unidos e Amazônia com entrepostos ao longo do Caribe. Considerando o recorte temporal e o pressuposto ora estabelecido, serão analisados os tratados, acordos e documentos internacionais que regulavam a navegação na região, os debates sobre condições de neutralidade e navegabilidade em conflitos, as rotas e produtos comercializados no eixo do Caribe – Amazônia, os elementos de política internacional que impactaram a navegação e o comércio, o contrabando e a vigilância de navios pela Marinha do Brasil.
  • Universidade Federal do Pará - PA - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025