Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Yara Teresinha Correa Silva Sousa

Ciências da Saúde

Odontologia
  • avaliação da degradação de cimentos obturadores biocerâmicos, em longo prazo, e seu impacto nas propriedades físico químicas, resistência de união à dentina radicular e atividade antimicrobiana
  • O avanço da ciência nos últimos anos tem proporcionado o desenvolvimento de novos materiais para favorecer o sucesso do tratamento endodontico. Os cimentos biocerâmicos apresentam alta liberação de íons cálcio, que, em contato com fluidos biológicos, propiciam o processo de bioatividade e favorecem a atividade antimicrobiana e o selamento pela deposição de rede de hidrato de silicato de cálcio misturado com hidroxiapatita. A bioatividade favorece a interação com a dentina, que resulta em maior penetração do cimento obturador nos túbulos, possibilitando maior resistência de união do material à dentina. Entretanto, não há estudos sobre o comportamento do material em longo prazo. O objetivo neste estudo será avaliar o efeito da degradação dos cimentos biocerâmicos Sealer Plus BC, Bio-C Sealer e Endosequence BC sobre suas propriedades físico químicas e atividade antimicrobiana em biofilmes de E faecalis. Ainda avaliar o impacto na interface de união material obturador/dentina, por microscopia confocal a laser (MCL) e microscopia eletrônica de varredura (MEV), na hidroxiapatita formada por difração de raios-x (DRX) e resistência de união pelo teste de push out. Corpos de prova de cada cimento serão distribuídos em grupos de acordo com a degradação (simulada por termociclagem): 28 dias (controle), 12 e 24 meses, e submetidos à analise da radiopacidade, alteração dimensional, solubilidade e pH, de acordo com a norma n57 da ANSI-ADA, e na atividade antimicrobiana por unidade formadora de colônia. Pré molares inferiores (n=90) serão preparados e obturados com os cimentos testados e distribuídos em 3 grupos, de acordo com a degradação (ciclagem termomecânica) nos mesmos períodos. Os dentes serão seccionados em 3 slices por terço (1,5 mm), que serão submetidos à MCL e push out, MEV e DRX. As análises qualitativas serão realizadas por examinadores calibrados e os dados quantitativos submetidos a análise estatística com significância de 5%.
  • Universidade de Ribeirão Preto - SP - Brasil
  • 17/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Yris Maria Fonseca Bazzo

Ciências da Saúde

Farmácia
  • desenvolvimento de chá fitoterápico solúvel de mangaba (hancornia speciosa gomes) pelos métodos de secagem por liofilização (freeze drying) e por atomização (spray drying)
  • As bebidas à base de plantas, como os chás, têm sido utilizadas como parte da cultura alimentar em diversos países. Os chás medicinais à base de plantas são fontes de compostos bioativos naturais, e esses compostos têm mostrado uma série de efeitos biológicos benéficos a saúde. A mangaba (Hancornia speciosa Gomes) é uma planta nativa brasileira com ocorrência confirmada em toda a extensão do bioma Cerrado e da Restinga. Os frutos constituem a parte da planta com maior valor comercial. De natureza essencialmente extrativista, a produção nacional de mangaba tem crescido ao longo dos últimos anos e atingiu 1.749 toneladas em 2019, com destaque para os estados da Paraíba, Sergipe e Bahia. Ao mesmo tempo em que a mangaba vem se valorizando no mercado nacional, a degradação das áreas de ocorrência natural da espécie na restinga tem crescido significativamente, devido à pressão exercida por produtores de cana-de-açúcar e grãos, silvicultores, criadores de camarão e especuladores imobiliários. Além do risco de perda do material genético e dos danos ambientais, o desmatamento também afeta diretamente a economia das comunidades tradicionais dependentes do extrativismo da mangaba feito majoritariamente por mulheres. As Catadoras de Mangaba atualmente se organizam em associações municipais, que não apenas coletam os frutos, mas também processam e comercializam produtos elaborados a partir da polpa e participam ativamente de ações de preservação das áreas de extrativismo de mangaba. Considerando o crescente mercado e aceitabilidade de produtos à base de plantas medicinais, espera-se, ao final deste projeto, obter formulação de chá solúvel do fruto de mangaba, contribuindo com a formação de recursos humanos e para o conhecimento da flora do bioma Cerrado, com a preservação de espécies nativas, com a economia das comunidades tradicionais dependentes do extrativismo da mangaba, diversificando os usos desta planta.
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025