Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Walderez Ornelas Dutra

Ciências Biológicas

Imunologia
  • linfócitos t cd4-cd8- como potenciais alvos imunoterapêuticos na doença de chagas: estudos pré-clínicos do bloqueio de ativação, single-cell transcriptome e caracterização in situ
  • Doenças cardíacas são a principal causa de morte no mundo. Nosso grupo tem estudado mecanismos imunológicos relacionados ao estabelecimento e progressão da cardiomiopatia decorrente da doença de Chagas (DCh), que está entre as doenças cardíacas mais debilitantes e mortais. Não há vacina para a DCh e nem formas eficazes de impedir o desenvolvimento da cardiomiopatia. Nossos estudos mostraram que as células T CD4-CD8- (duplo-negativas -DN) são as principais fontes de citocinas inflamatórias associadas `a cardiopatia chagásica. Financiados pela FAPEMIG, CNPq e NIH tivemos grande progresso mostrando que: (1) o bloqueio parcial in vitro da ativação de células T DN de pacientes cardiopatas, através da inibição da apresentação de antígeno via CD1d, muda seu perfil inflamatório para anti-inflamatório; (2) este bloqueio age especificamente na população T DN de memória efetora, revertendo seu perfil a um perfil protetor; (3) glicoconjugados são os componentes do parasito responsáveis pela ativação, podendo ser modelos para antagonistas; (4) a manipulação destas células não interfere com outras células imunes, permitindo-as, em tese, exercer suas funções no controle da infecção. Assim, identificamos, pela primeira vez, uma população celular como potencial alvo imunoterapêutico na DCh. Para estabelecer clinicamente esta estratégia, pretendemos aqui responder as seguintes perguntas: (1) o bloqueio de outras moléculas da família CD1 tem função melhor do que o bloqueio com anti-CD1d? (2) o bloqueio funciona em células de pacientes em etapas iniciais da DCh, podendo evitar o estabelecimento sua forma grave? (3) o bloqueio altera o controle parasitário? (4) estas células estão presentes no infiltrado inflamatório cardíaco? Com um grupo de cientistas internacionais de experiência complementar, realizaremos ensaios pré-clínicos humanos, visando o desenvolvimento de intervenções imunológicas e a identificação de biomarcadores de progressão da doença para subsidiar seu futuro uso.
  • Universidade Federal de Minas Gerais - MG - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Waldir Ferreira de Abreu

Ciências Humanas

Educação
  • formação de professores/as na tríplice fronteira amazônica brasil-peru-colômbia: decolonialidade, interculturalidade crítica e ação participativa
  • Este projeto que recebe o título FORMAÇÃO DE PROFESSORES/AS NA TRÍPLICE FRONTEIRA AMAZÔNICA BRASIL-PERU-COLÔMBIA: decolonialidade, interculturalidade crítica e ação participativa, é fruto de inquietações que foram suscitadas das reflexões advindas da relação direta e de conversação de professores/as vinculados/as a universidades de América Latina: UFPA, UFAM, UFAP, UNSA(ARG), com o objetivo de “Analisar a formação de professores/as na tríplice fronteira amazônica Brasil-Peru-Colômbia, tendo como referêncial a decolonialidade e interculturalidade crítica, e como formação tem contribuído no processo de ensino apredizagem das crianças das escolas públicas dos municípios Brasileiro, Peruano e Colombiano da trípice fronteira” Pensar as Amazônias nos remete a múltiplos significados pela realidade sociocultural e territorial que abrange. Significados esses que precisam ser compreendidos pelos próprios amazônidas, como sujeitos que podem mudar o pensamento colonial, preconceituoso, criado pelos exploradores deste território, que o percebem como matéria prima infinita para a exploração do capital. Um território tradicional, ocupado por sujeitos que têm sua identidade e modos de vida próprios com estreita relação com a fauna e a flora e que possuem conhecimentos tecidos historicamente no enredo da oralidade e experiências no cotidiano de gerações. Apesar da ideia romantizada estar impregnada no imaginário social, entendemos que as Amazônias são muito mais que uma extensão geográfica, são lugares, territórios onde os sujeitos são possuidores de um modo singular e diverso de viver e se relacionar, e sua própria forma de produzir conhecimentos que divergem da forma hegemônica e aceita cientificamente. (PORTO GONÇALVES, 2005)
  • Universidade Federal do Pará - PA - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Walter Collischonn

Engenharias

Engenharia Sanitária
  • hidrologia continental da américa do sul no antropoceno
  • As intervenções humanas no sistema terrestre já levam alguns cientistas a denominar o período atual de Antropoceno. No que se refere à água, a humanidade está modificando severamente o ciclo hidrológico, com alterações no fluxo de vapor da superfície para a atmosfera, e no armazenamento de água em reservatórios e aquíferos e por alterações no ciclo dos sedimentos e na qualidade da água. As interações econômicas e as obras de infraestrutura atingem escalas espaciais cada vez maiores, em que são necessários estudos e ferramentas adequados para a análise e resolução de problemas. Com relação às mudanças climáticas, a maioria das análises de possíveis impactos sobre os recursos hídricos no Brasil enfatiza regiões relativamente pequenas, e foca em resultados como a disponibilidade média da água. Na presente proposta pretende-se analisar os impactos das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos de toda a área continental da América do Sul. Ao mesmo tempo serão realizadas análises de disponibilidade de água média e de situações críticas, associadas aos eventos extremos de secas e cheias. Os resultados serão avaliados em termos de vazão, como ocorre em muitos estudos, e em termos de evapotranspiração potencial, evapotranspiração real, armazenamento de água em aquíferos e balanço hídrico do solo. A metodologia será baseada na aplicação do modelo hidrológico MGB em toda a área continental. Inicialmente será investigada a capacidade deste modelo em representar as modificações da vazão e de outras variáveis (armazenamento de água, evapotranspiração) durante períodos anomalamente úmidos ou secos, como os últimos anos na região Sudeste e na região Centro-Oeste. Caso necessário, a estrutura do modelo será aprimorada. As possíveis respostas da sociedade, na forma de alteração da quantidade, da localização, e do timing do uso da água para irrigação, e na alteração da infraestrutura hídrica, também serão investigadas.
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 04/02/2022-28/02/2025