Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Viviane Capoane

Ciências Exatas e da Terra

Geociências
  • mapeamento das áreas em processo de arenização na bacia hidrográfica do rio pardo – mato grosso do sul – brasil
  • Solos arenosos são ecologicamente frágeis, altamente suscetíveis à erosão e de baixa aptidão agrícola. Quando convertidos para agroecossistemas desconsiderando as limitações naturais ocorrem graves consequências ambientais como erosão, sedimentação e degradação da qualidade das águas superficiais e subterrâneas, e econômicas em decorrência da diminuição da produtividade. Na bacia hidrográfica do rio Pardo, área de estudo do presente projeto, solos de textura arenosa correspondem a 37,6% da área, e a atividade agrícola predominante é a pecuária, com extensas áreas de pastagens em vários estágios de degradação com focos em processo de arenização. Considerando que o conhecimento das condições ambientais é fundamental para o entendimento de sua dinâmica, bem como para um manejo adequado dos recursos naturais, este projeto visa mapear as áreas em processo de arenização nesta bacia hidrográfica, bem como fazer uma caracterização geoambiental. A escolha da área foi motivada pela aprovação para implantação de sete Pequenas Centrais Hidrelétricas, no rio Pardo e sub-bacias, além da presença de uma Usina Hidrelétrica e duas Centrais Geradoras de Eletricidade já em operação, e pela importância desta bacia no abastecimento público de Campo Grande (50%) e demais municípios inseridos na bacia. Para a caracterização geoambiental serão utilizados dados geográficos de diferentes fontes, escalas, resolução espacial e resolução temporal. Para o mapeamento das áreas em processo de arenização serão derivados índices radiométricos de solo, água e vegetação, de imagens multiespectrais do Satélite Sentinel-2. A validação será feita a partir de índices espectrais de imagens interanuais. Para os focos de arenização de menor dimensão, serão feitos trabalhos de campo. Uma vez mapeados os areais, serão efetuadas coletas de amostras de solo para caracterização geoquímica. Espera-se que os dados gerados sejam utilizados pelos gestores na definição das áreas prioritárias para recuperação ambiental
  • Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - MS - Brasil
  • 16/03/2022-31/03/2025
Foto de perfil

Viviane de Melo Resende

Lingüística, Letras e Artes

Lingüística
  • “rede de pesquisa em discurso e gênero: cartografia para integração brasil e américa latina”
  • Neste projeto, do Núcleo de Estudos de Linguagem e Sociedade, do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares (NELiS/CEAM/UnB), fundado em 1988, do Laboratório de Estudos Críticos do Discurso (LabEC/IL/UnB), fundado em 2012,e da Associação Latino-americana de Estudos do Discurso (ALED), fundada em 1993. Com equipe formada por pesquisadoras docentes das cinco regiões do Brasil, a que se somam pesquisadoras docentes estrangeiras e estudantes de pós-graduação, propomos pesquisa para articulação de uma Rede de Pesquisa em Discurso e Gênero. O objetivo é integrar os grupos de pesquisa de gênero em estudos críticos do discurso das cinco regiões do Brasil e dos países latino-americanos que compõem a estrutura da ALED. Para isso, reunimos uma equipe consolidada de pesquisadoras de estudos críticos do discurso e gênero e atuantes na ALED-Brasil, com o objetivo de levantar e analisar dados sobre os grupos e as pesquisas em discurso e gênero realizadas no continente, e com a meta final de articulação de uma rede na ALED internacional. Serão realizadas missões de trabalho para pesquisas sobre o tema nas universidades parceiras, mapeamentos de grupos de pesquisa em discurso e gênero nas regiões Nordeste, Sul, Norte, Sudeste, Centro-Oeste do Brasil, e em países do Cone Sul, região Andina e Caribe. Serão produzidas Cartografias com base no mapeamento dos grupos, suas temáticas, abordagens teóricas e metodológicas. O produto final será a consolidação da rede latino-americana de estudos de discurso e gênero. Com essa rede, possibilitaremos internacionalização para vários grupos de pesquisa das cinco regiões do Brasil. Nossa principal motivação é o desejo de conhecer, mapear e articular grupos de pesquisa em discurso e gênero que poderiam beneficiar-se do mútuo contato. Em uma país continental como o Brasil, acreditamos que nossa cartografia será produtiva para a ciência produzida em estudos do discurso e em estudos de gênero no País e sua internacionalização
  • Universidade de Brasília - DF - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Viviane Gomes Teixeira

Ciências Humanas

Educação
  • o ensino de ciências na construção da identidade científica feminina
  • A ciência construída pela diversidade é essencial já que oportuniza a produção de conhecimento por/para diferentes identidades sociais. Porém, o cenário de acesso de meninas ao conhecimento científico não é satisfatório, e se torna ainda pior com o recorte racial. A escola deve democratizar o conhecimento científico, porém, Bourdieu a aponta como reprodutora da violência hegemônica. Portanto, é fundamental compreender os mecanismos do Ensino de Ciências que promovem o distanciamento de meninas, especialmente as negras, do conhecimento científico. Em Bourdieu, a identidade de gênero resulta da ação e assimilação de um habitus incorporado às identidades individuais e coletivas. A forma como as relações de poder é interiorizada ocasiona a naturalização das práticas escolares. O habitus de gênero dos sujeitos revela, assim, a contribuição da instituição escolar na naturalização de divisões de gênero. O conceito de habitus é uma forma de enxergar a ordem social e está associado à compreensão de uma héxis corporal ligada à apreensão de maneiras de ser dos agentes no espaço social. O habitus seria um instrumento que examina a coerência de características comuns dos grupos sociais de mesmas condições, os princípios que estruturam suas ações. Ao indivíduo, esses princípios não são nítidos e são naturalizados e assimilados como formas de ver, apreciar e julgar. Portanto, é fundamental compreender como as práticas escolares do Ensino de Ciências contribuem para a construção de um habitus de meninas, principalmente pobres e negras, que as afasta do interesse pelo conhecimento científico. O conceito de habitus permite compreender como as estruturas e os condicionamentos sociais atravessam o comportamento dos agentes e, assim, propor estratégias de interferência. Propomos reconhecer como as escolas percebem a relação das alunas com o ensino de ciências e a elaborar um projeto de ensino visando o discurso científico como promotor de novas práticas escolares em relação às meninas.
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ - Brasil
  • 20/03/2022-31/03/2025