Projetos de Pesquisa

 

Foto de perfil

Thiago Rafalski Maduro

Outra

Multidisciplinar
  • feira de ciências norte capixaba (fecinc) e vi jornada de integração do ifes - região norte
  • A Fecinc - Feira de Ciências Norte Capixaba é uma ação de capacitação em ensino e para o trabalho escolar associada a mostras de ciências e tecnologia que têm como objetivo a popularização da ciência através da divulgação de projetos de Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática desenvolvidos preferencialmente por alunos da educação básica. Nesse contexto, serão desenvolvidas nesse projeto, além da feira de ciências, atividades como palestras, mostras científicas e tecnológicas e portas abertas. Através de ações sólidas que influenciam as práticas docentes e a qualidade do ensino pelo uso do método científico, a Fecinc espera despertar vocações que apresentem significativo impacto na formação de uma sociedade mais consciente de forma política, social e cultural. Estimulando a interação escola-comunidade e fortalecendo as parcerias escola-academia, a Fecinc já promove ações de capacitação de professores e estímulo estudantil em 22 municípios do Espírito Santo e, em 2022, pretende abranger ainda mais municípios. A feira de ciências será projetada para receber 80 projetos de estudantes do ensino básico de escolas públicas e privadas e já estão pré-selecionados projetos de 17 municípios. A VI Jornada de Integração do Ifes - Região Norte deve receber cerca de 60 projetos, de pelo menos 4 municípios. Considerando os municípios parceiros que darão apoio logístico para que o público-alvo participe, os eventos devem receber pessoas de cerca de 21 municípios.
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo - ES - Brasil
  • 12/09/2022-31/03/2023
Foto de perfil

Thiago Sardinha de Oliveira

Ciências Biológicas

Biotecnologia
  • tecnologias moleculares aplicadas ao desenvolvimento biotecnológico.
  • Vide projeto anexo
  • Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus JK - MG - Brasil
  • 07/12/2021-30/06/2024
Foto de perfil

Thiago Silva Torres

Ciências da Saúde

Saúde Coletiva
  • discriminação interseccional entre minorias sexuais e de gênero no brasil: impacto no comportamento sexual, percepção de risco ao hiv e adesão a prevenção ou tratamento do hiv
  • Minorias sexuais e de gênero (MSG), como por exemplo homens cis gay e bi, travestis e mulheres trans, são desproporcionalmente afetados pela epidemia de HIV no Brasil devido a fatores comportamentais e estruturais, incluindo discriminação. MSG estão sujeitas à discriminação interseccional, ou seja, podem sofrer diferentes discriminações com relação, por exemplo, ao gênero, orientação sexual, raça ou classe, que são inter-relacionais e moldam-se mutuamente. Estas discriminações podem influenciar na autoestima e saúde mental destas populações, impactando diretamente no comportamento, na percepção de risco ao HIV e na adesão a métodos de prevenção, como profilaxia pré-exposição (PrEP). Entre MSG vivendo com HIV soma-se ainda a discriminação pelo status sorológico, que pode impactar no cuidado à saúde e na adesão ao tratamento antirretroviral (TAR). Neste contexto, este estudo tem por objetivo investigar o impacto da discriminação interseccional no comportamento sexual, percepção de risco ao HIV e adesão a prevenção ou tratamento do HIV entre MSG no Brasil. Estudo transversal, no qual MSG (18+ anos) serão recrutadas através de mídias sociais para responder um questionário online sobre dados sociodemográficos, escala de discriminação explícita, comportamento, percepção de risco ao HIV, conhecimento sobre HIV, estigma do HIV, homofobia internalizada, uso e adesão à medidas de tratamento e prevenção. Modelos logísticos serão criados para diferentes desfechos (ex. comportamento sexual, percepção de risco, adesão), utilizando como variável de exposição a discriminação medida por escala validada, e outras co-variáveis exploratórias. Os resultados deste estudo servirão para o adequado mapeamento das vulnerabilidades das diferentes populações MSG, além de servir como subsídio para a adoção de estratégias para maximizar o efeito populacional da PrEP, do diagnóstico precoce do HIV e da TAR, ajudando o país a alcançar o objetivo proposto pela UNAids: o do fim da epidemia até 2030.
  • Fundação Oswaldo Cruz - RJ - Brasil
  • 05/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Thiago Vinicius Costa Nascimento

Ciências Agrárias

Zootecnia
  • resíduos industriais em associação a palma forrageira na alimentação de cabras no sertão de pernambuco, bahia e sergipe
  • Nas regiões semiáridas, a caprinocultura leiteira tem como principal desafio a escassez de alimentos nas épocas de estiagem, pois as condições climáticas afetam o sistema de produção, devido às secas constantes que influenciam a disponibilidade de forragem. Dessa maneira, o presente projeto tem por objetivo desenvolver soluções tecnológicas para aumento da produção e qualidade do leite e queijos de cabras, do sertão de Pernambuco, Bahia e Sergipe, alimentadas com dietas contendo palma forrageira associadas à resíduos industriais. Para tanto, o projeto terá duração de 12 meses sendo desenvolvido como um todo durante esse período. Parte deste, será executado na Universidade Federal do Vale do São Francisco – UNIVASF, Campus Ciências Agrárias (CCA), situado em Petrolina-PE, que desenvolverá com o resíduo de uva. As outras partes da proposta serão executada em parceria com instituições de ensino superior da rede pública, que inclui a Universidade Federal de Sergipe (UFS) englobando a utilização de resíduo de panificação (biscoito) e café. E a Universidade Federal da Bahia (UFBA), onde serão conduzidos estudos avaliando a inclusão de óleos de palmeiras nativas em associação a palma forrageira na alimentação de cabras leiteiras. Os experimentos serão com duração de 80 dias, em delineamento de quadrado latino duplo (4x4), sendo composto por quatro níveis de inclusão de resíduo nas dietas dividido em quatro períodos de 20 dias. As dietas serão caracterizadas 0; 10; 20 e 30% de resíduo na MS. Serão avaliados a influência da palma com resíduo sobre os parâmetros de consumo, digestibilidade e comportamento ingestivo. Produtos oriundos do leite das cabras serão testados em análises sensoriais. Ao final, os resultados obtidos serão difundidos por meio de disciplinas nas universidades parceiras da proposta e visitas técnicas, com produtores e pesquisadores.
  • Universidade Federal de Sergipe - SE - Brasil
  • 03/02/2022-28/02/2025
Foto de perfil

Thiago Wendt Viola

Ciências da Saúde

Medicina
  • fatores preditivos de resposta a tratamento oferecido pelo sus para mulheres usuárias de cocaína-crack: análise epigenômica e de algoritmos de aprendizagem supervisionada
  • O uso de cocaína tipo crack é um grave problema de saúde pública no Brasil. Estima-se que 1% da população faça uso regular e abusivo da droga e tal consumo é associado a uma série de desfechos negativos para os usuários e para a sociedade. O Governo Federal, em resposta ao crescente uso da droga no país, desenvolveu planos de combate e redução ao consumo de cocaína-crack, como a campanha “Crack, é Possível Vencer” e o “Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas”. Apesar disso, as evidências ainda são pouco expressivas quanto a eficácia das abordagens de tratamento para essa população. A taxa de aderência ao tratamento de portadores de Transtorno por Uso de Cocaína-Crack (TUCC) é de aproximadamente 50%, e a manutenção da abstinência destes pacientes em um período de seis meses é estimada em 14%. Nesse sentido, nosso objetivo é ampliar de forma inovadora o aporte científico e tecnológico necessários à identificação de fatores clínicos, sociodemográficos, psicossociais, neurocognitivos e epigenômicos que possam predizer a resposta ao tratamento de mulheres com TUCC. Estes resultados podem diretamente auxiliar a orientação de políticas públicas e o desenvolvimento de métodos de prevenção e intervenção mais eficazes. A aplicação de métodos de inteligência artificial e aprendizagem supervisionada na análise de dados ainda é incipiente no estudo da dependência a cocaína-crack no âmbito internacional. Há ainda menos estudos que utilizaram esta abordagem analítica no cenário nacional, e estes não incluem o foco em predição a resposta ao tratamento. Um dos principais motivos para o entendimento incompleto das características que influenciem a resposta ao tratamento no TUCC é a escassez de estudos longitudinais contendo um grande conjunto de variáveis e ondas de avaliação múltiplas. Esses critérios são atendidos no conjunto de dados que será utilizado nesta proposta, especialmente em uma amostra feminina. Assim, esta proposta fornece uma oportunidade única de enquadramento no item 3.E. da presente chamada: Identificação de fatores associados ao consumo abusivo de álcool e outras drogas entre mulheres e seus impactos para desfechos de saúde. Ao longo dos últimos 10 anos realizamos um amplo mapeamento e coletamos dados de usuário(a)s de cocaína-crack (n = 750) e controles saudáveis (n = 750). Para a amostra clínica de mulheres com TUCC (n = 500), realizamos um acompanhamento longitudinal durante os 21 dias de tratamento do SUS para desintoxicação ao uso de crack e outras drogas, bem como após 2 anos da alta hospitalar da unidade de internação. Nossos bancos de dados incluem variáveis de: 1) avaliação clínica (i.e. diagnóstico de TU de cocaína-crack e comorbidades psiquiátricas, diagnóstico de infecção pelo HIV, histórico e padrão de uso de substâncias lícitas e ilícitas); 2) trajetória psicossocial (i.e. mapeamento sociodemográfico, consequências e impacto na vida familiar, social, legal, laboral e médica decorrente do uso de substâncias, características da rede de apoio/social, histórico de exposição a trauma, estresse e violência ao longo da vida); 3) avaliação neurocognitiva (i.e. inteligência, memória, atenção, e funcionamento executivo); e 4) epigenotipagem (i.e. amostras de DNA sanguíneo submetidas a análise de varredura ampla epigenômica – metilação do DNA – com dados de 850.000 sítios genômicos). As variáveis de desfechos abrangem melhor/pior resposta ao tratamento de desintoxicação no período de alta hospitalar, considerando a redução da severidade de sintomas de fissura e abstinência à cocaína-crack. Também incluem a redução de sintomas de humor depressivo. Por fim, há variáveis de ocorrência de recaída e redução de consumo de substâncias psicoativas até 2 anos após a alta hospitalar. Assim, nossos bancos de dados contemplam mais de 3000 variáveis clínicas/cognitivas/comportamentais. Através da análise de aprendizagem supervisionada por algoritmo de Floresta Aleatória, espera-se a identificação e o esclarecimento de aspectos específicos que influenciam a resposta ao tratamento de desintoxicação em mulheres usuárias de cocaína-crack, que é uma das prioridades para políticas de prevenção e tratamento no âmbito da dependência química. Além disso, visa-se a consolidação da linha de pesquisa em ciência de dados e desenvolvimento de tecnológico na área de dependência química.
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - RS - Brasil
  • 04/12/2020-31/01/2023